THE DELAGOA BAY COMPANY

Janeiro 2, 2012

RUI NOVAIS LEITE MONTEIRO: CELEBRANDO UMA VIDA

Rui Novais Leite Monteiro, falecido em 30.12.2011, aqui em 2005.

O nome de Rui Novais Leite Monteiro, que faleceu na passada sexta-feira aos 90 anos de idade, ficará para sempre associado à história da navegação aérea em Moçambique, em particular ao Aero Clube de Moçambique, de que foi um dos mais activos participantes. O seu apelido perdura em Moçambique hoje através do seu filho, Rui Monteiro.

Se o exmo. Leitor quiser saber mais sobre quem ele foi e o que fez, recomendo a consulta ao excelente blogue Voando em Moçambique, magnificamente mantido pela Sra. D. Luísa Hinga e Sr. José Vilhena, de quem copiei hoje uma excelente nota biográfica e duas fotografias, que reproduzo em seguida, com alguma edição minha e informação adicional referida pelo Sr. Coronel Manuel Bernardo numa nota que escreveu a 31.12.2011 no inigualável Macua Blogs.

Os rapazes do Aero Clube de Moçambique. Da esquerda: Jaime Fajardo, Paulo Cunha, John Murray, Artur Cardoso, Rui Monteiro e Rui Lacueva.

Rui Novais Leite Monteiro nasceu a 22 de Junho de 1921 em Moçambique e desde sempre ali residiu. Decano dos pilotos aviadores privados em Portugal à altura do seu falecimento, possuía mais de 3.500 horas de voo e 14.000 aterragens na sua longa carreira de piloto e de instrutor.

Vindo de Moçambique, onde nascera, em Portugal treinou e voou pela primeira vez a 09 de Setembro de 1939, desde logo a solo, num “pairador” Schulgleiter lançado por cabos elásticos no Monte Maria Dias (Algueirão-Sintra), na então Escola de Aviação Bartolomeu de Gusmão promovida pela Mocidade Portuguesa em parceria com o Aero Clube de Portugal.

Participou num curso com dezoito alunos e uma duração de quinze dias, dirigido pelo Dr. João Pinto Coelho e sendo seu instrutor o alemão Schurke (campeão do Mundo de Voo à Vela). O voo de Rui Monteiro teve a duração de 17 segundos. Foi brevetado como piloto privado em 1940 no Aero Clube de Braga, campo de aviação de Palmeira, tendo efectuado o seu primeiro voo a solo a 3 de Dezembro de 1939 num pequeno monomotor Taylor Cub J-2 de 40 cavalos, “CS-AAU”.

Foram seus instrutores Roberto Sameiro e Esteves de Aguiar, num curso igualmente promovido pela Mocidade Portuguesa, a título gracioso, mas com o compromisso de entrar como piloto miliciano da então Aeronáutica Militar. Foram seus colegas o Cte. Amado da Cunha (TAP), Manuel Cardoso, José Manuel Soares e Artur Zanha.

Regressado a Moçambique, aprendeu com os Comandantes Luís Branco e Jorge Veloso o voo nocturno, com o Coronel Armando Vieira os multimotores, com Artur Lacueva a acrobacia e com Júlio Lázaro a radiotelefonia.

Foi sócio, instrutor e presidente do Aero Clube de Moçambique (com sede em Lourenço Marques), instrutor e director das Escolas de Pilotagem dos Aero Clubes de Gaza (Xai-Xai), Inhambane e Vila Trigo de Morais. Pelas suas mãos passaram várias gerações de pilotos ali formados. Até há poucos anos, mantinha válida a sua licença de piloto privado, sendo o mais velho piloto Português ainda no activo.

Na então Lourenço Marques, colaborou activa e decisivamente na construção de 4.000 casas populares no bairro da Machava e também na Coop, durante 17 anos, tendo oferecido uma escola primária, considerada como das mais lindas da cidade e que foi construída nesse bairro. Durante a sua carreira profissional, esteve ligado a cerca de quarenta empresas.

O Coronel Manuel Bernardo, que o conheceu bem, referiu: “Rui Monteiro era um homem de raras qualidades de humildade, coragem e abnegação ao serviço dos outros, em todas as circunstâncias.”

Aquando da Independência, deixou Moçambique, tendo ir viver para a Linha do Estoril, em Portugal. Todo o seu património foi posteriormente nacionalizado.

Apesar dos vários convites que lhe foram posteriormente feitos, nunca mais regressou a Moçambique.

Da esquerda: Artur Cardoso, Marques Pinto, Dias, Férias, Pereira, Telmo Pereira e Rui Monteiro.

Em Portugal, pertenceu aos quadros directivos do Aero Clube de Portugal, onde foi Presidente do Conselho Fiscal, Vice-Presidente da Direcção e Presidente da Assembleia Geral respectivamente, clube que lhe atribuiu vários diplomas de honra. A Federação Aeronáutica Internacional (FAI) concedeu-lhe em 1990 o diploma Paul Tissandier, a Ordem dos Cavaleiros de Colombo e distinguiu-o com uma cruz por salvamento num desastre aéreo, com risco da própria vida.

Ficaram célebres os voos acrobáticos deste grande piloto Moçambicano, participante activo em todos os festivais aéreos que por todo o território de Moçambique se realizaram, tendo efectuado o seu último voo no dia 18 de Junho de 2006, com 85 anos de idade.

Membro activo das Forças Aéreas Voluntárias em Moçambique, foi um dos seus fundadores naquela então província portuguesa, durante os dez anos que durou a guerra que culminou com a Independência em 1975, tomando parte em inúmeros voos de busca e salvamento, transporte de feridos e de mantimentos, e principalmente em numerosos voos de Correio Aéreo.

Uma credencial de Rui Monteiro Pai, anos 1960.

Foi correspondente durante vários anos da Revista do Ar, onde publicou vários artigos sobre a Aviação em Moçambique.

Sobre Rui Monteiro pai, Fernando Lopes Subtil escreveu: “Uma grande perda para todos aqueles que como eu tiveram a sorte de terem sido seus alunos e amigos durante mais de 50 anos, uma grande perda para todos os que de uma forma ou de outra estiveram ligados ao Aeroclube de Moçambique e de Gaza, os meus sentimentos aos filhos e restante familia, um grande abraço ao Rui monteiro filho.”

Carmo Jardim escreveu: “Conheci-o muito bem tinha por ele o maior respeito como piloto e também como instrutor. À Família amiga um grande beijinho especial.”

Rui Monteiro Pai era casado com D. Aurita. Deixa cinco filhos (Ana Maria, Rogério, Deolinda, Maria José (Zé) e Rui jnr) e vários netos.

Junto-me a todos apresentando à sua Família as minhas condolências e celebro a memória de um homem que teve uma vida verdadeiramente excepcional.

Site no WordPress.com.