THE DELAGOA BAY COMPANY

Agosto 14, 2017

A PISCINA DO GRUPO DESPORTIVO LOURENÇO MARQUES, 1949

Fotografia da Colecção de João Godinho, retocada.

 

J2GODINHO-58

A piscina de 33.3 metros x 25 jardas do Grupo Desportivo Lourenço Marques, inaugurada na semana em que esta fotografia foi tirada (24 de Julho de 1949). Anteriormente, neste local, situava-se o campo de futebol do Clube. Ao fundo, a até então Câmara Municipal de Lourenço Marques.

Março 18, 2013

CAIXA DE FÓSFOROS DO GRUPO DESPORTIVO LOURENÇO MARQUES

Filed under: 1940 anos, Caixa de fósforos do GDLM — ABM @ 7:47 pm
Face de caixa de fósforos do Grupo Desportivo Lourenço Marques, creio que produzidos em Macau.

Face de caixa de fósforos do Grupo Desportivo Lourenço Marques, creio que produzidos em Macau.

Maio 22, 2012

CARTÃO DE SÓCIO DO GRUPO DESPORTIVO LOURENÇO MARQUES, 1949

Filed under: 1940 anos, Cartão de Sócio do GDLM 1949 — ABM @ 8:53 am

Documento gentilmente cedido por D. Suzette Malosso.

 

Capa de cartão de Sócio do GDLM, 1949.

 

Interior do cartão.

CARTÃO DE SÓCIO DO GRUPO DESPORTIVO LOURENÇO MARQUES, 1955

Filed under: Cartão de Sócio do GDLM, DESPORTIVO LM/MAPUTO — ABM @ 8:46 am

Documento gentilmente cedido por D. Suzette Malosso.

 

Capa de cartão de sócio do Grupo Desportivo Lourenço Marques.

 

Interior do cartão.

Março 12, 2012

A EQUIPA DE NATAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE WITSWATERSRAND NA INAUGURAÇÃO DA PISCINA DO DESPORTIVO EM LOURENÇO MARQUES, 1949

Fotografia muito gentilmente enviada da África do Sul pelo meu colega da natação Pierre Jeanrenaud, que lhe foi enviada pela sua mãe, Maria de Lourdes Correa de Sousa Neves, filha do Dr. António de Sousa Correa Neves, que foi Presidente do Grupo Desportivo Lourenço Marques.

A equipa de nadadores sul-africanos, estudantes da Universidade de Witswatersrand em Joanesburgo, que se deslocaram a Lourenço Marques para a inauguração da piscina do Desportivo (então com dimensões olímpicas - 33.3 metros), no dia 24 de Julho de 1949.

A EQUIPA DE NATAÇÃO DO DESPORTIVO DESFILA EM LOURENÇO MARQUES, 1948

Fotografia muito gentilmente enviada da África do Sul pelo meu colega da natação Pierre Jeanrenaud, que lhe foi enviada pela sua mãe, Maria de Lourdes Correa de Sousa Neves, filha do Dr. António de Sousa Correa Neves, que foi Presidente do Grupo Desportivo Lourenço Marques.

A equipa de natação do Grupo Desportivo Lourenço Marques (hoje Grupo Desportivo de Maputo) à direita, durante um festivel no Estádio Paulino dos Santos Gil em Lourenço Marques, 1948. De notar o atleta cheio de medalhas à esquerda, a falar no microfone. Parece que é o José Bento mas não tenho a certeza, se alguém souber por favor envie uma nota para aqui. A mãe do Pierre, cujo pai, o Dr. Sousa Neves, na altura era o Presidente do Desportivo, é a bonita jovem de branco, segunda a contar da direita na fila da frente.

Fevereiro 11, 2012

CARLOS OLIVEIRA, CÂNDIDO PIMENTA, TAYOB E MATA, 1970

Fotografia de Cândido Pimenta, gentilmente cedida e restaurada por mim.

Para ver esta fotografia em tamanho maior, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

Balatazar Rebelo de Sousa, então Governador-Geral de Moçambique, aqui acompanhado por Eduardo Paixão, escritor e que foi Presidente do Desportivo, cumprimentam (da esquerda) Carlos Oliveira, Cândido Pimenta, Tayob e Mata, que neste dia vestiam as cores da Selecção de futebol de Lourenço Marques.

Janeiro 9, 2012

ANTÓNIO CORREA DE SOUSA NEVES, PRESIDENTE DO GRUPO DESPORTIVO LOURENÇO MARQUES, 1948

Foto gentilmente cedida por António de Sousa Neves e Pierre Yves Jeanrenaud, respectivamente filho e neto do Dr. Sousa Neves.

Em Lourenço Marques, o Dr. Sousa Neves foi advogado e político.

Num momento crucial de edificação do que é hoje o Desportivo, o Dr. Sousa Neves assumiu a direcção do Clube, levando a bom termo a construção da sua piscina, inaugurada em 24 de Julho de 1949.

O Dr. Sousa Neves, Presidente do Desportivo, aqui em 1948.

Janeiro 3, 2012

VASCO ABREU (PAI) ATLETA, SÓCIO E DECANO DA FAMÍLIA ABREU DO DESPORTIVO

…. e piloto da DETA e da LAM até 1980.

Com D. Rute Abreu, pais de José, Rui, Vasco e Suzana Abreu, todos atletas do Desportivo.

E amigos para uma vida.

Foto e recorte restaurados por mim. Para ver as mesmas em tamanho máximo, prima na imagem que quiser ver duas vezes com o rato do seu computador.

Para mais dados sobre ele e a aviação em Moçambique, visite o excelente blogue Voando em Moçambique, gerido por Luisa Hinga e o Sr. Comdte José Vilhena.

Vasco Abreu, piloto da DETA/LAM e patriarca da Família Abreu no Desportivo. Aqui nos anos 1960.

Recorte do jornal Diário de Lourenço Marques, 10 de Novembro de 1973, dando notícia da chegada à cidade de mais um Boeing 737 para as então já denominadas Linhas Aéreas de Moçambique.

GUILHERME CABAÇO, SÓCIO DO DESPORTIVO, IN MEMORIAM

Filed under: 2010 anos, DESPORTIVO LM/MAPUTO, Guilherme Cabaço + — ABM @ 3:30 pm

O Desportivo assinala esta semana o falecimento do Sr. Guilherme Cabaço.

O Sr. Guilherme Cabaço, uma vida sócio do Desportivo antes e depois da Independência, faleceu Sábado, dia 31 de Dezembro de 2011. Em 1980 foi presidente do Clube, antecidido por Manuel Jorge e seguido por João Albasini.

No sítio do Clube, foi publicado este texto, da autoria do até agora mais velho sócio do clube, na ocasião do seu 92º aniversário:

85 Anos no Desportivo

Tinha sete anos quando me fizeram sócio infantil do Desportivo. Era o clube do meu pai e era um clube genuinamente da terra.

Pratiquei aí várias modalidades desportivas: fui infantil de futebol (há uma foto da equipa nas paredes da sede), fiz basquetebol, hóquei em campo, atletismo e pólo aquático.

Diziam então que eu era um miúdo com jeito para o desporto. Por razões da vida pessoal tive de ir para Portugal quando tinha 16 anos e, quando regressei, três anos e meio mais tarde, tive de ir trabalhar e não pude retomar a prática desportiva. Embora longe da capital, mantive sempre a minha ligação com a agremiação.

O Desportivo deu-me muitas alegrias desportivas e pessoais. De entre elas, recordo a honra e responsabilidade que representou fazer parte da comissão de sócios que chamou a si a construção do campo de futebol [Estádio Paulino dos Santos Gil) onde jogámos até há poucos anos. O Benfica de Lisboa tinha acabado de ganhar a Taça Latina, o primeiro grande torneio europeu, e nós, como delegação do clube português, tomámos a iniciativa de o trazer a Moçambique. Negociámos com os nossos vizinhos do Sporting (hoje Maxaquene), a utilização do campo, mas os nossos eternos rivais impuseram condições inaceitáveis. Pouco mais de dois meses antes da chegada do Benfica, um grupo de sete sócios reuniu-se e decidiu construir um Estádio para a ocasião.

Construir um Estádio condigno em tão pouco tempo foi uma aventura, mas com o nosso esforço, com o esforço dos trabalhadores (que trabalharam, por turnos, dia e noite) e com a boa vontade de muitos, conseguimos tê-lo pronto no dia anterior ao jogo inaugural do Benfica.

Eu sou hoje o único sobrevivente dessa comissão a que tive a grande honra de pertencer.

Um outro momento alto vivido no clube foi a famosa Assembleia-Geral para decidir se passaríamos ou não a ser filiais do Benfica de Portugal. Um número grande de sócios era benfiquista e defendia essa opção. Ganhámos a Assembleia-Geral, mantivemos o nome e as nossas cores tradicionais, e deixámos de ser delegação daquele clube lisboeta.

Foi aí que nasceu o Benfica de Lourenço Marques, hoje o Costa do Sol.

Esta história de luta pela moçambicanidade do clube explica a minha alegria quando, depois da Independência, o Desportivo, adequando-se à nova realidade, conseguiu manter o seu nome e a sua personalidade.

Foi o reconhecimento da sua autenticidade moçambicana.

Mais tarde e por duas vezes, se a memória não me falha, fui chamado a presidir à Direcção do clube [1980] e fui também Presidente da Assembleia-Geral. Como candidato proposto pelo clube fiz um mandato como Presidente da Associação de Futebol de Lourenço Marques.

Posso dizer que as grandes alegrias que o desporto me proporcionou estão ligadas ao Desportivo e aos sucessos da selecção de Moçambique. Não esqueço as alegrias que, por um breve período, vivi com os grandes resultados conseguidos pela selecção dos naturais. Era uma selecção constituída apenas por jogadores naturais de Moçambique e que se organizava por ocasião da visita de equipas estrangeiras e que o Governo de então acabou por proibir.

Com 92 anos de idade, sou o sócio mais antigo do clube e muito me alegra poder comemorar os seus 90 anos. Tenho muita fé nos destinos do Desportivo, porque o vi ultrapassar sucessivas dificuldades e o vejo hoje com uma Direcção competente e dedicada, sob a presidência do Dr. Michel Grispos, que muito admiro.

Nesta ocasião, endereço a todos os associados e simpatizantes os meus parabéns pela efeméride e exorto-os, do fundo do coração, a continuarem o seu apoio ao nosso Desportivo, para bem do desporto moçambicano e do país.

À Familia Cabaço e ao Desportivo, endereço as minhas condolências.

Dezembro 4, 2011

DIA DA INAUGURAÇÃO DA PISCINA DO DESPORTIVO EM LOURENÇO MARQUES, 24 DE JULHO DE 1949

Muito grato ao Pierre Jeanrenaud pelo envio da fotografia em baixo, onde (à direita) se pode ver a sua mãe. Creio que o seu avô materno teve que ver com a sua construção mas vou esperar pela informação.

Para ver esta foto em tamanho maior, prima na imagem em baixo duas vezes com o rato do seu computador.

Atletas do Grupo Desporitvo Lourenço Marques no dia 24 de Julho de 1949, um domingo. A mãe do Pierre é a jovem à direita na foto. Faltam os nomes dos restantes atletas, se alguém souber por favor envie uma nota para aqui.

Novembro 25, 2011

DIÁLOGOS COM A HISTÓRIA: EUSÉBIO E HILÁRIO

Com vénia, e dada a sua importância, em seguida pode-se ler 1) a magnífica entrevista, conduzida por Pedro Candeias e Bruno Roseiro, ao Eusébio, publicada há uma semana na Revista Única, que acompanha o semanário Expresso de Lisboa, 2) no fim, os comentários do não menos grande Hilário, relacionados com afirmações feitas na entrevista concedida pelo Eusébio, feitas ao Expresso e A Bola e publicadas no dia 23 de Novembro de 2011.

A capa da revista Única, do Expresso, há uma semana.

página 41

Página 42

Página 43

Página 44.

Página 44 "A". O Rei.

Página 45.

Página 46.

Página 47.

Página 48.

Página 49 (última).

Hilário. Foto ASF em A Bola, com vénia.

HILÁRIO COMENTA

Cito o Expresso de 23 de Novembro de 2011:

Hilário da Conceição desmentiu as acusações de racismo no Sporting de Lourenço Marques, feitas por Eusébio em entrevista ao Expresso, na semana passada, e revelou que o jogador esteve muito perto de assinar pelo Sporting, quando já estava em Portugal.

O ex-companheiro do “Pantera Negra” diz, em entrevista ao jornal oficial do Sporting, que não percebe as declarações de Eusébio ao Expresso. “O Eusébio deve estar traumatizado por outras questões. Ele não foi tratado no Sporting com racismo. Ele é mais novo do que eu três anos, o que significa que quando representou o Sporting de Lourenço Marques já eu tinha lá estado e tinha sido muito bem tratado”, declara o antigo defesa-esquerdo internacional.

Hilário conta que ele foi “o primeiro preto” a chegar ao Sporting de Lourenço Marques, “um clube da alta sociedade moçambicana”, e que nunca teve qualquer problema com isso.

O ex-jogador do Sporting esclareceu também a história da chegada de Eusébio a Portugal, para ingressar no Benfica, porque “Eusébio conta mal a história”. Hilário revela que tentou trazer o “Pantera Negra” para o clube de Alvalade mas o então presidente do Sporting, Brás de Medeiros, só aceitava que a “fera” – como lhe chamava Hilário – viesse primeiro fazer testes.

Eusébio queria vir já com contrato assinado, pelo que o negócio não se realizou. Mais tarde, “o Bella Guttman falou de Eusébio ao presidente do Benfica, que recomendou logo a vinda do Eusébio por qualquer preço. Então, o Benfica chegou ao pé do Eusébio, deu-lhe dinheiro e este comprou logo um prédio e uma vivenda. A mãe do Eusébio assinou os documentos e lá veio ele para Portugal.”

Já em Portugal – depois de ter viajado com o nome de “Rute” -, Eusébio esteve a um passo de assinar pelo Sporting, contou Hilário. “O Sporting oferecia-lhe dez vez mais do que o Benfica, dava dinheiro à mãe, e o Eusébio, com esse dinheiro, podia devolver o dinheiro que o Benfica lhe deu e ainda ficaria com algum para viver. Depois de estar em Lisboa, falei com o Eusébio (para ser jogador do Sporting Clube de Portugal) e ele aceitou.”

Hilário, segundo o relato feito ao jornal do Sporting, dirigiu-se ao lar do Benfica onde estava hospedado Eusébio e trouxe-o consigo, mas os responsáveis do Sporting não conseguiram contatar a filial moçambicana de Lourenço Marques para que autorizasse a transferência.

Por isso, Hilário voltou a levar Eusébio para o lar do Benfica, apenas para pernoitar. Grande “ingenuidade” minha, admitiu: “No Benfica, já tinham dado pela falta dele e quando ele apareceu esconderam-no no Algarve, numa casa de férias do Domingos Claudino (antigo dirigente ‘encarnado’). O Benfica não queria que eu tivesse contactos com o Eusébio. O Benfica acaba por segurar o Eusébio pelo impasse do telefonema. Se tivéssemos conseguido entrar em contato com Moçambique, naquelas 24 horas ele teria sido jogador do Sporting.”

E ainda Hilário analisado e citado n’A Bola:

Após a entrevista de Eusébio na revista Única, do Expresso, em que o Pantera Negra afirmou não gostar do Sporting por ser «um clube de elite, da polícia e racista», surge agora a resposta de Hilário da Conceição, que levou Eusébio para o Sporting de Lourenço Marques.

«Fui o primeiro preto a jogar no Sporting de Lourenço Marques e sempre fui bem tratado. Ele não foi tratado no Sporting com racismo», afirma o antigo defesa-esquerdo dos leões e da Selecção Nacional em entrevista ao Jornal Sporting, que estará amanhã nas bancas.

O jornal afirma ainda que Hilário da Conceição «conta a história da vinda de Eusébio de Moçambique para Portugal continental, entre outros temas».

Novembro 11, 2011

Reencontro de Gerações do Desportivo de Maputo

Filed under: 2010 anos, Almoços e Encontros, DESPORTIVO LM/MAPUTO, OUTROS — ABM @ 9:00 am

 

O texto que se segue é um artigo publicado no Notícias, de Maputo no dia 8 de Novembro.

 

A sede do Desportivo vai vestir-se de preto-e-branco aos gomos, depois de amanhã, quinta-feira [10 de Novembro de 2011], para assinalar o reencontro da velha guarda do clube, em festa enquadrada na comemoração do 90º aniversário daquele que é um dos mais antigos e carismáticos clubes moçambicanos: o Grupo Desportivo de Maputo.
Dezenas de ex-dirigentes e ex-atletas, vão juntar-se num almoço a realizar-se junto à piscina infantil da colectividade, às 13:00 horas de 10 de Novembro, Dia da Cidade de Maputo, estando para o efeito abertas as inscrições.
Segundo os organizadores do evento, os ex-craques Amide e Frederico, a ocasião vai valer sobretudo pela oportunidade de velhos amigos trocarem efusivos abraços e revisitarem os momentos de glória que permitiram projectar o Desportivo para o patamar em que se encontra.
E quais as presenças de figuras “emblemáticas” que se espera?
Os organizadores querem juntar à mesma mesa, ex-dirigentes e ex-futebolistas, em horas de amena “cavaqueira”, figuras como Manuel Jorge, José Luís Cabaço, Manuel Braga, Galibo, Américo Mpfumo, Zaide Ali, Bique, Hary, Issufo, Gulamo Patel, Vipra, Gulamo Ali, Hussene, Natu, Amin, Damune, Zainadine, Eurico, Ahmed, Nuro, Miguel, Florêncio, Cabral, Calton, Urbano, Dentinho, Simões, Sitói, Mutualibo, Taju, Júlio, Ivo Garrido, Jamal, Pierson, Neimane, Lalá, Flin, Aurélio, Chababe, Ali Hassane, Abâmia, Matola, Abreu, Naiene, Dino, Ibrahimo, Magid, Neves Correia, Cândido Coelho, Martinho Fernandes, Tomaz, Melito, Faife, Jamal, Amadeu, Wiliam, Nando, Dique, Bernardo, Malagueta, Estêvão, Sebastão, Achirafo (Fito), Loforte, Manuel Muchana, Dias, Betinho Loforte e muitos outros.
Este vai ser o primeiro grande encontro da família do Desportivo. Nele se prevê a instituição da data para uma confraternização anual que inclua outros “condimentos”, como uma partida de futebol para os “madalas” e a troca de ideias que conduzam a uma participação mais efectiva, na vida de um clube que permanece e continuará sempre presente no coração de todos.

Outubro 31, 2011

A PLACA DO NOVO PAVILHÃO DO DESPORTIVO LM. 1971

Foto de Carlos Silva.

 

Fazia parte da celebração dos 50 anos do Desportivo construir um novo pavilhão (e supostamente, uma nova piscina). Lembro-me perfeitamente. Ficou-se pela primeira pedra. Quem viesse a seguir que fizesse.

A primeira - e única - pedra. Projecto do Eng. Tomás Gouveia, pai da Dulce Gouveia.

Julho 16, 2011

MANUEL CORDEIRO, MASSAGISTA DO DESPORTIVO LM, ANOS 70

Esta fotografia foi muito gentilmente cedida pela Anabela Vasconcelos, filha do Sr. Cordeiro e D. Etelvina.

 

O Sr. Cordeiro, figura querida e inesquecível do Desportivo, por cujas mãos passaram muitos dos atletas do Clube, hoje tem 87 anos e vive em Portugal.

Dos massagistas do Desportivo, houve ainda os Srs. Machado e Serranito, que ainda não consegui localizar.

Etelvina e Manuel Cordeiro. Durante muitos anos, o Sr. Cordeiro foi o massagista do Desportivo, tendo por ele passado gerações de atletas.

Abril 11, 2011

O SR. GOMES DO DESPORTIVO, 2008

Fotos gentilmente enviadas pelo Jorge Santos.

 

Janeiro 30, 2011

O GRUPO DESPORTIVO DE MAPUTO, 2011

Filed under: 2010 anos, Desportivo, DESPORTIVO LM/MAPUTO, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 12:15 am

A foto é de Fábio Amargar.

O actual emblema do Grupo Desportivo de Maputo, entidade que, ainda não se entendeu bem, é a continuação, ou o sucedâneo, do Grupo Desportivo Lourenço Marques.

A entrada do Grupo Desportivo de Maputo. A bandeira à porta sugere que é o mesmo Desportivo desde 31 de Maio de 1921.

Janeiro 25, 2011

A EQUIPA DE FUTEBOL DO DESPORTIVO LM, ANOS 40, COM MÁRIO WILSON

A equipa de futebol do Desportivo LM nos anos 40. Mário Wilson era um dos jogadores. Faltam os nomes do resto do plantel.

Janeiro 12, 2011

OS JOGADORES DE MINI BASQUET DO DESPORTIVO, ANOS 70 E 2006

Fotos de Jorge Santos.

Faltam alguns nomes, a quem souber agradeço que escrevam para aqui a dar os detalhes.

A equipa de mini-basquet no Desportivo. Na foto de pé, da esquerda, (P1), Rui Miranda, Celso Neves, Chong, Rucha e Rui Possolo. De joelhos, Manuel Romano, Jorge Santos, (J3), José Manuel Abreu e (J5).

Os veteranos num encontro de 2006. De pé, da esquerda: (P1), Nita, Dulce Gouveia, Zito, Eng. Tomás Gouveia, Victor Chong, Celso Neves e Jorge Santos. De joelhos: Canhoto, José Manuel Abreu, Gaby Santos e Rucha.

Janeiro 11, 2011

EQUIPA 3 HORAS DE LOURENÇO MARQUES A NADAR, 1974

Esta foto foi gentilmente enviada por Fernando Brito.

Em baixo, a seguir à foto principal (que pode ser vista em maior detalhe premindo com o rato duas vezes) estão as fotos de detalhe da foto principal. Quem souber os nomes de pessoas mal ou não identificadas, por favor escreva para aqui, indicando qual a foto de detalhe e a localização da pessoa.

A equipa que nadou no primeiro evento "3 Horas de Lourenço Marques a Nadar", no primeiro trimestre de 1974.

Detalhe 1. Em cima: Vasco Abreu, (?). Em baixo: Floro Miguel Miranda e Fernando Brito.

Detalhe 2. Em cima: (?), Eugénio. Em baixo: Fernando Brito, Jorge Moreira, (?).

Detalhe 3. Em cima: (?), Paula Roque, (?), (?). Em baixo: (?), Nelson Oliveira, (?), (?).

Detalhe 4. (?1) (?2) (?3) (?4) (?5) (?6)

Detalhe 5. (?1) (?2) (?3) e (?4).

Deatlhe 6. Em cima, Fernando Brito. Em baixo Rogério Silva.

Detalhe 7. Em cima Rogério Silva, Carlos Diniz. Em baixo, (?2).

Deatlhe 8. Em cima, Luiz Diniz, (?1). Em baixo, Dulce Gouveia, (?2).

Detalhe 9. Em cima, (?1), (?2), (?3). Em baixo (?1), Pai Santos e o filho Mário Santos.

Detalhe 10. Em cima (?1), (?2), (?3), (4). Em baixo: (?1), (?2), (?3).

Detalhe 11. Em cima, (?1), e o grande jogador de hóquei Abílio, (?3). Em baixo (?1), (?2), Carlos Oliveira, (? - filho mais novo do Rui Ferreira da UFA)

Detalhe 12. Em cima, (?1), (?2), Cruz e Silva, que foi ponta esqeurdo do Sporting LM e (?4). Em baixo, (?).

Detalhe 13. (?)

Detalhe 14. Em cima, (?1), Dulce Gouveia, (?2). Em baixo, (?3), (?4), Lídia Gouveia.

Detalhe 15. (?1) (?2) (?3)

Detalhe 16. Lídia Gouveia, António Botelho de Melo, Helena Santos. Em baixo, Licínio Oliveira.

Detalhe 17. Em cima: Helena Santos, Anabela Gouveia, João Meireles, (?1). Em baixo, (?2).

Detalhe 18. Em cima, (?1), Carla...., (Jaime Santos), (?2). Em baixo, Paula Botelho de Melo, José Luis Ribeiro.

Detalhe 19. Rodrigo Tudela, irmão do João Maria Tudela, (?2)

Detalhe 20. Em cima, (?1), 2ª fila (?2), (?2), Carlos Lopes Pereira.

Detalhe 21. (?1), (?2), Lídia Gouveia.

Deatlhe 22. Licínio Oliveira.

Detalhe 23. (?)

Detalhe 24. Paula Botelho de Melo.

Detalhe 25. Cló Botelho de Melo, Pierre Jeanrenaud e Olímpia Ótão.

Detalhe 26. Olímpia Ótão, Celeste Ótão, (?). Atrás, Carlos Lopes Pereira.

Detalhe 28. (?), Arnaldo Cunha.

Janeiro 10, 2011

RESULTADOS DO FESTIVAL DE NATAÇÃO DA ESCOLA DE INFANTIS DO DESPORTIVO, FEVEREIRO DE 1973

Este recorte foi gentilmente enviado por Fernando Brito.

Para ver melhor este recorte, prima na imagem duas vezes com o rato do computador.

Os resultados do Festival da Escola de Nadadores do Desportivo, Fevereiro de 1973, tal como publicados no Díario de LM.

RESULTADOS DO TORNEIO DE NATAÇÃO DO 56º ANIVERSÁRIO DO DESPORTIVO, ABRIL DE 1973

Este recorte foi gentilmente enviado por Fernando Brito.

Resultados do torneio de natação realizado em 29 de Abril de 1973, no âmbito da comemoração do 56º aniversário do Desportivo, apenas para infantis entre os 5 e os 11 anos de idade.

Janeiro 8, 2011

JOÃO DONATO, BASQUETEBOLISTA DE LM

Fotos de João Donato

João Donato jogou e treinou basquet em Moçambique e mais tarde em Portugal. Ele hoje vive em Portugal.

Cartão do Desportivo de um jovem João Donato. A secretaria do clube aqui enganou-se no seu apelido.

Cartão de livre-trânsito de João Donato quando jogava pelo Sporting de LM.

João Donato a jogar pela Associação Académica LM, num jogo contra o Malhangalene, em 1973

Novembro 30, 2010

AS MÃES BOTELHO DE MELO E ABREU NO DESPORTIVO

Filed under: 1960 anos, DESPORTIVO LM/MAPUTO, Mães Abreu e Melo — ABM @ 2:22 pm

Enquanto os respectivos filhos jogavam básquet ou treinavam na piscina do Desportivo, as mães Melo e Abreu esperavam pelo fim do treino fazendo crochet….

Dona Rute Abreu (esq) e D. Leontina Botelho de Melo (dta) passam o tempo no Desportivo. Já viram estes óculos escuros à agente da Pide?

Novembro 5, 2010

OS LIMÕES DO ENGENHEIRO TOMÁS GOUVEIA

Tomás Gouveia, um pilar do Desportivo e do desporto.

O Sr. Engenheiro Tomás Gouveia merece uma menção de destaque aqui na Casa.

Para além de um firme fanático do Desportivo desde a primeira hora, já desde os fins dos anos 40, ele foi um entusiástico apoiante do desporto em Lourenço Marques, em particular do futebol, do básquet e da natação, e quase toda a gente nos meios desportivos o conhecia.

Quando não estava a trabalhar, o Eng. Gouveia estava ou no Desportivo ou num recinto a ver um jogo ou uma prova de natação. Ou nas bancadas algures em detalhadas discussões desportivas com outros sócios.

No caso do Desportivo, foi o Eng. Tomás Gouveia que fez os planos do segundo campo de hóquei do Desportivo inaugurado nos anos 50, aquele onde hoje fica o campo de básquet coberto à direita de quem entra no clube. No princípio dos anos 70 fez ainda os planos para a implantação de vários campos de básquet no Desportivo e de um estádio olímpico de natação. Esses planos foram metidos definitivamente na gaveta em 1974.

Para além desse envolvimento, e de uma paixão de uma vida pela colecção de sêlos, o Eng. Gouveia (e sua mulher, D. Celeste Miranda, uma ilustre professora primária e que era a directora da Escola Primária de Xipamanine em 1974), deram três filhas ao desporto moçambicano de então: a Lídia, a Anabela e a Dulce Gouveia, esta última que foi uma referência da natação nos anos 60 e 70.

Celeste e Tomás no baptizado da filha Dulce em 1952: dois sócios do Desportivo trazem ao mundo uma nova sócia e praticante do clube. Mais tarde o Pai Melo viria a chamar à Dulce "a foca".

O Eng. Tomás Gouveia, que está vivo e mais ou menos bem na sua casa em Cascais (tem 86 anos – a PDI dá cabo de nós todos) com a D. Celeste, era como família para quem como eu passava a vida no clube.

Uma das pequenas histórias pessoais que me recordo dele é que, apesar dele ter as filhas na natação (a Dulce nadava e praticava básquet) ele parecia que tinha um fraquinho maior pelo básquet que pela natação. O campo de básquet do Desportivo na altura (creio que como agora) era aquele situado à esquerda de quem entra no clube (e que foi o primeiro campo de hóquei em patins do Desportivo). Durante os treinos, era lá que ele costumava estar.

Ora, ao pé desse campo, havia um limoeiro com um tamanho decente, habitualmente cheio de limões. De vez em quando, especialmente na época quente entre Dezembro e Março, eu  ficava com tanto calor dentro de água durante os treinos de natação, que, para arrefecer (e na altura não havia nem dinheiro nem vícios), a escorrer água por todos os lados, ia a correr da piscina até ao bar do Desportivo, e pedia ao Sr. Sebastião uma jarra com água gelada e açúcar, que ele, solidário, me dava. Depois ia a correr com a jarra ao limoeiro, apanhava dois limões, espremia-os para dentro da jarra, mexia com um pau e assim bebia a melhor e mais refrescante limonada do mundo.

Por razões que nunca discuti com o Sr. Engenheiro Gouveia, ele achava, talvez devido à geolocalização estratégica do limoeiro, que aquilo pertencia ao básquet e não à natação. É que os do básquet parece que faziam a mesma coisa, mas de forma mais organizada que eu. Então, sempre que eu ia buscar limões à árvore, tinha sempre primeiro que ver onde é que estava o Sr. Engenheiro Gouveia, pois se ele me visse a trepar na árvore e apanhar os limões, ele vinha logo atrás de mim e pregava-me um discurso a dizer que os limões daquele limoeiro eram da equipa de básquet e não para os nadadores.

Que grandes limonadas bebi eu.

E que grande figura foi e é o Eng. Tomás Gouveia.

Older Posts »

Site no WordPress.com.