THE DELAGOA BAY COMPANY

Dezembro 25, 2011

ALBERTO DE MORAIS VALLE E O PAINEL ARTÍSTICO DO DESPORTIVO

O complexo do Grupo Desportivo Lourenço Marques. A piscina foi inaugurada a 24 de Julho de 1949. Esta foto data do início dos anos 1960, antes das terraplanagens feitas a poente. O painel executado por Morais Valle encontra-se à entrada do Clube. Para ver esta fotografia em tamanho maior, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

O painel artístico concebido e feito por Morais Valle , lado esquerdo.

O painel artístico do Desportivo, lado direito.

Graças a Isabel do Valle, neta Alberto de Morais Valle, “descobri” ontem que este artista foi o autor do bonito painel que desde meados de 1949 decora a entrada do actual Grupo Desportivo de Maputo. E pelo qual passei milhares de vezes sem nunca saber quem os tinha feito.

Alberto de Morais Valle.

Alberto de Morais Vale nasceu em Belém, Portugal, no dia 20 de Junho de 1901. Tendo ficado órfão dos pais, com 8 anos foi para a Casa Pia com o irmão. Aos 15 anos, inscreve-se na Escola de Belas Artes e Liceu Gil Vicente. Três anos depois, em 1919, matricula-se no curso de escultura, tendo como colegas nomes que mais tarde se tornariam muito conhecidos. Em 1923 começa a dar aulas na Casa Pia, onde ainda vivia na altura. Em seguida deu aulas um pouco por toda a parte. Em 1926 casou com Clarinda, com quem teve Lia (1927), Cristina (1930) e Rui (1934).

Entre 1929 e 1944 leccionou principalmente na zona das Caldas da Raínha.

Escultura de AMV.

Uma escultura de AMV, premiada numa exposição levada a cabo na Sociedade Nacional das Belas-Artes.

AMV com a filha Lia, uma dos seus três filhos, aqui em Óbidos, 1937.

Em 1944 decidiu ir viver para Lourenço Marques.

Do livro sobre AMV: a ida para Lourenço Marques em 1945.

A permanência em Lourenço Marques. Excerto do livro de Isabel do Valle sobre o seu avô.

Desenho de uma mulher, feito em Lourenço Marques por AMV.

Mais sobre a vida de AMV em Lourenço Marques.

Foto tirada durante uma exposição em Lourenço Marques.

O segundo da esquerda em baixo, AMV com colegas da Escola Sá da Bandeira em Lourenço Marques.

Os Valle durante uma visita ao Jardim Zoológico de Lourenço Marques, 1954. Já doente, AMV regressaria à então Metrópole, onde faleceria em 6 de Outubro de 1955, na cidade do Porto.

Notícia, num jornal de Lourenço Marques, dando conta do falecimento de AMV em Portugal, mencionando o seu contributo no Núcleo de Arte e na Escola Industrial.

Dezembro 4, 2011

DIA DA INAUGURAÇÃO DA PISCINA DO DESPORTIVO EM LOURENÇO MARQUES, 24 DE JULHO DE 1949

Muito grato ao Pierre Jeanrenaud pelo envio da fotografia em baixo, onde (à direita) se pode ver a sua mãe. Creio que o seu avô materno teve que ver com a sua construção mas vou esperar pela informação.

Para ver esta foto em tamanho maior, prima na imagem em baixo duas vezes com o rato do seu computador.

Atletas do Grupo Desporitvo Lourenço Marques no dia 24 de Julho de 1949, um domingo. A mãe do Pierre é a jovem à direita na foto. Faltam os nomes dos restantes atletas, se alguém souber por favor envie uma nota para aqui.

Dezembro 3, 2011

A MÃE DO PIERRE JEANRENAUD NA PISCINA DO DESPORTIVO EM LOURENÇO MARQUES, 1949

Muito grato ao Pierre Yves Jeanrenaud, meu colega da natação no Desportivo e no Clube Académico de Coimbra, que enviou esta fotografia da sua casa na África do Sul e prometeu mais.

Infelizmente não sei ainda o nome da mãe dele, sempre a conheci como “a mãe do Pierre”. Mas isso resolve-se com um email.

A piscina do Desportivo foi inaugurada no dia 24 de Julho de 1949 pelo então Governador-Geral. O Avô materno do Pierre creio que fazia parte da direcção do Desportivo nessa altura.

A mãe do Pierre sempre foi linda, mas aqui está uma beleza. Não sei quem é o Clark Gable à direita. Reparem ao fundo que o eucaliptal que cobria a zona ribeirinha da cidade naquela altura vinha até praticamente às portas do clube. Mesmo no cantinho à esquerda, pode-se ver a sede original do Desportivo, que ainda existe e devia ser património arquitectónico e histórico da cidade de Maputo.

Novembro 24, 2011

A NATAÇÃO DE MOÇAMBIQUE NO CONTEXTO DA NATAÇÃO PORTUGUESA EM 1959

Muito agradecido à Dulce Gouveia, que recebeu interessante documento da mão de Eurico Perdigão, contendo informações muito interessantes sobre a natação em Moçambique desde os seus primórdios. O documento data do Natal de 1959 e foi publicado pelo jornal Notícias de Lourenço Marques.

O documento digitalizado em baixo está dividido em três partes e pode ser ampliado premindo na secção que o exmo. Leitor quiser ver ou ler com o rato do seu computador, duas vezes.

Novembro 11, 2011

VISITA AO DESPORTIVO DE MAPUTO POR JOSÉ CARLOS COSTA, 2008, PARTE 2 DE 2

Filed under: 2000 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 5:04 pm

A segunda parte de uma memorável visita do José Carlos Costa ao Desportivo de Maputo em 2008.

Para ver a primeira parte deste conjunto de fotografias, procure no índice deste blogue sob “Lourenço Marques/Maputo” e “Desportivo”.

Muito grato ao José Carlos por nos deixar ver estas fotografias.

A piscina dos Pequeninos.

Estampei-me muitas vezes naquele escorrega.

Nadei muito ali em baixo.

Ali havia um repucho.

Vista do topo do escorrega.

Mais uma perspectiva.

Acesso ao lado do basquet.

A piscina grande vista da pequena.

Mais uma vista da piscina de 33 metros.

O antigo campo de hóquei, que agora acho que é só de basquet - desenhado pelo Eng. Tomás Gouveia, pai da Dulce Gouveia, que vive em Cascais City.

O campo de basquet.

O espaço entre a piscina e o antigo campo de hóquei. Ao fundo, a sede, balneário e casa do Encarregado.

Campos de basquet, onde há muitos anos foram os campos de ténis.

Os campos de basquet ao lado da piscina grande.

O baleneário dos rapazes.

Mais uma imagem do balneário dos homens.

Sala dos troféus.

Sala dos troféus.

Sala dos troféus.

Vista para o terreno na parte de trás do Clube.

O terreno atrás do Clube.

Atrás do bar. Parece que os sapos fugiram.

Passagem onde antigamente éramos supostos lavar os pés antes de entrarmos no recinto da piscina grande. Pelos vistos está murado.

Pátio no exterior do bar. Aqui houve muito bingo, carnaval, fim do ano, matraquilhos, etc.

Mais uma visto do exterior do bar. Na altura, tudo em obras.

 

 

 

VISITA AO DESPORTIVO DE MAPUTO POR JOSÉ CARLOS COSTA, 2008, PARTE 1 DE 2

Filed under: 2000 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 4:32 pm

O José Carlos Costa, que cresceu como eu e outros no Desportivo (ele especificamente mencionou “o Zé Manel Abreu e irmãos, a Cló e restantes irmãos BM, Dulce, Carlos Oliveira, Paula Valadão, e toda aquela família do futebol, basquet e hóquei”), fez o favor de enviar as fotos que se seguem, que são uma visita fotográfica ao Desportivo de Maputo, feita há três anos. Uma boa parte do que se vê foi renovado, em parte graças ao grande evento desportivo ocorrido há uns meses em Maputo e aos esforços dos actuais sócios e direcção.

Aqui está a primeira parte de duas desta visita. Para ver a segunda parte, procure a Parte 2 de 2.

Ao Zé Carlos um entusiástico Kanimambo.

A entrada principal do clube.

A entrada e recepção/bilheteira.

Entrada.

Bilheteira.

O antigo busto do Governador Geral.

Não sei o que é que aconteceu ali mas aquilo era a entrada para o antigo campo de hóquei e mais tarde de basquet.

O original campo de hóquei e mais tarde de basquet. As bancadas desapareceram.

Desde então acho qie isto foi tudo renovado.

O antigo "escritório" do Eurico Perdigão e depois do Victor Cerqueira...

Sessenta e um anos depois o raio das pranchas não caem...

A piscina.

A placa recordando o nadador Jeffrey Hopf, que faleceu num acidente automóvel à entrada da passagem por detrás do Restaurante Oceânia, a seguir ao Clube Naval.

A piscina.

O que sobra do que nos anos 1970 foi o parque infantil com o nome da nadadora do Desportivo Elza Ferreira.

PARA VER O RESTO DESTE CONJUNTO DE FOTOGRAFIAS, VER A PARTE 2 DE 2.

Outubro 31, 2011

A PLACA DO NOVO PAVILHÃO DO DESPORTIVO LM. 1971

Foto de Carlos Silva.

 

Fazia parte da celebração dos 50 anos do Desportivo construir um novo pavilhão (e supostamente, uma nova piscina). Lembro-me perfeitamente. Ficou-se pela primeira pedra. Quem viesse a seguir que fizesse.

A primeira - e única - pedra. Projecto do Eng. Tomás Gouveia, pai da Dulce Gouveia.

Outubro 5, 2011

O DESPORTIVO E O SPORTING DE LOURENÇO MARQUES (E DE MAPUTO), 1959 E 2009

A primeira foto é do Cândido Pimenta, tirada da reportagem “Especial de Natal” do jornal Notícias de Lourenço Marques.

A segunda foto foi enviada pelo Óscar Soeiro.

A ambos muito obrigado.

Vista aérea dos complexos do Grupo Desportivo e do Sporting Clube de Lourenço Marques, 1959. Nesta foto vê-se ainda as barreiras em frente ao Liceu Salazar e Hotel Cardoso antes da devastação resultante do Ciclone Claude, no início de 1964, que motivou uma enorme obra de sustentação da barreira. Note-se ainda que nesta altura ainda não havia sido construído a cúpula sobre o campo de basquet do Sporting, que ainda hoje existe como pode ser visto em baixo, numa foto recente.

O mesmo complexo, meio século depois da foto tirada em cima. Para ver esta foto em tamanho maior, prima duas vezes na mesma com o ponteiro do rato do seu computador.

Junho 3, 2011

OS ALUNOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE MOÇAMBIQUE, 1973

Fotos gentilmente cedidas pela Tina Coutselini, que está na África do Sul.

Os alunos do curso de educação física na piscina do Desportivo em Lourenço Marques. Na fila de cima, da esquerda: Catalão, Abdul, Morais. Na fila do meio: Paulo Barba, Ilário, Nuno Pires, Cristina e Eusébio. Na fila de baixo: Carlos Campos Costa, Prista, Tony Soares, Maria João, Carlos Moura, Marina e José Maria Carvalho Melo.

Parte da formação incluia uns saltos das pranchas do Desportivo, o que dava sempre um filme...

AINDA SOBRE OS 90 ANOS DO GRUPO DESPORTIVO DE MAPUTO

Filed under: 1920 anos, 2010 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 1:32 am
Para que conste. Uma nota de Eduardo Paixão, escritor e que foi Presidente do Desportivo no princípio dos anos 70, publicada na revista comemorativa do seu 52º aniversário, descrevendo em algum detalhe como foi fundado o Grupo em 1921.

O texto de Eduardo Paixão.

Maio 31, 2011

O GRUPO DESPORTIVO DE MAPUTO COMPLETA HOJE 90 ANOS

Filed under: 1920 anos, 2010 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO, Vasco Abreu — ABM @ 3:56 am

Vasco Abreu sentado no pedestal de não sei quem à entrada do Desportivo Lourenço Marques, actualmente Grupo Desportivo de Maputo, que hoje completa noventa anos de existência.

O dia 31 de Maio de 1921 é considerado a data em que o Desportivo de Maputo foi fundado. Até pouco após a Indepdnência de Moçambique em 1975, o clube ostentou o nome, não da cidade em si, mas do homem considerado historicamente uma referência por ter visitado e explorado a zona durante os meados do século XVI – um senhor comerciante qualquer chamado Lourenço Marques.

A cidade teve e tem grandes clubes que possuem um percurso e glórias de destaque. O Desportivo não fica atrás, em particular por ter sido um clube que cultivou o convívio e o desporto com uma atitude e uma abertura que não eram do seu tempo. Quando a raiva anti-colonial, anti-portuguesa e (a meu ver) racista e oportunista dos líderes da guerrilha, chegaram à cidade em meados de 1974, uma das consequências quase imediatas foi a sucessiva e metódica destruição de tudo o que fosse simbólico e substantivo de um passado que então era ainda presente, quase subitamente fora decretado proscrito.

Mais do que tudo, as pessoas foram o alvo de um regime que redefiniu a moçambicanidade nos seus próprios termos e que embarcou numa aventura sem precedente na sua história, cunhada nos tresloucados ditames dos ditadores criminosos Mao e Pol Pot, de virar o mundo  do avesso e assim forjar o novo Homem Moçambicano.  À guerra para atingir a autonomia dos portugueses, seguir-se-ia outra, agora para libertar o Sul de África do jugo do homem branco e os nascentes moçambicanos dos seus próprios fantasmas. A sociedade colonial, já de si em significativa mudança e sob pressão dos eventos, desmoronou-se numa questão de poucos meses.

Ficou um deserto, para ser colonizado pelos amigos socialistas e pelos Senhores do Poder.

O caso com os clubes, como o Desportivo, não foram excepção. As pessoas fugiram. ou foram-se embora, consoante a interpretação de cada um. Ficaram as instalações, as salas dos troféus recheadas, as memórias, alguma ambição, e a ideia de que havia um residual que talvez valesse a pena manter, todos sujeitos à nova realidade, que quase nada tinha que ver com o passado. O património não material de quase todos foi praticamente obliterado, esterilizado das ligações que alguns tinham com clubes portugueses e do seu passado. Por um tempo, fez-se uma reorganização à moda comunista, com a gestão dos clubes atribuídas a ministérios, ao exército e organizações afins.

Apesar de tudo, algo do passado ficou no Desportivo, fruto, alguns argumentam, talvez algo exaustivamente, das suas credenciais algo diferentes – de que não era tão racista como isso, de que não era tão colonialista como isso, de que continha elementos proto-independentistas. de que, num episódio que é célebre para quem conhecia bem o clube, se recusara filiar-se com um clube de Portugal.

Tudo isso, de alguma forma. me faz bocejar, ainda que invariavelmente os argumentos todos, de um lado e de outro da paliçada histórica e ideológica, possam ter algum fundamento.

De facto, creio que a única homenagem que conheço no clube, na forma de um pequeno monumento situado directamente em frente à entrada principal do clube (que foi rapidamente retirada e as inscrições retiradas do pedestal à picareta) terá sido dedicada ao homem que liderou o processo de que resultou que a identidade do clube não ficasse associada a um clube de Portugal.

Mas não sei. A minha amiga Lucília, que tem uma memória de elefante, pensa que possa ser dum governador-geral, Gabriel Teixeira, um madeirense, que ocupou a Ponta Vermelha durante vários anos, e que em 24 de Julho de 1949 inaugurou a então piscina olimpica.  pois o busto, que se soltava e que eu uma vez atirei para a parte funda da piscina (ia levando uma coça do Faz-tudo e a seguir do pai Melo) era de um militar. Portanto não devia ser do Sr. Paulino dos Santos Gil, um dos grandes benefactores do clube de então, e que ofereceu o terreno onde ainda se situa o estádio de futebol que supostamente (e se assim, milagrosamente) ainda ostenta o seu nome.

A verdade é que eu ainda hoje não sei quem é, porque enquanto esteve lá, mesmo à frente de toda a gente, ironia das ironias, nunca prestei a atenção suficiente para sequer ler o que lá estava escrito.

É a estátua que se vê de lado, lá em cima, e à qual o então pequeno Vasco Abreu, da grande família do Desportivo dos Abreus, estava encostado quando o pai tirou a fotografia.

Naturalmente que não foi este exemplo, nem é este homem, aquilo que merecesse o mínimo respeito dos novos senhores do País. Pelo contrário. A linha argumentativa predilecta é que o que existia e o que foi feito foi ou roubado ao povo moçambicano ou extorquido pela via da repressão, tout court.

Portanto o que aconteceu, copiando dum termo que acho engraçado e que foi muito usado na altura da venda de uma certa barragem no Norte, terá sido apenas uma reversão.

Mas apesar de não ter sequer havido a pretensão de uma passagem de testemunho, antes uma tentativa “revolucionária” de refundação, ficou qualquer coisa. Alguém insistiu, e conseguiu, com que o clube não mudasse de nome, algo que em Maputo só conheço o caso do Ferroviário, outro grande clube moçambicano, que tinha por detrás o vasto complexo dos CFM, e o Clube Naval, que suponho era difícil chamar outra coisa qualquer. Houve ali um mínimo de evolução na continuidade, com o grande Sr. José Craveirinha, os Cabaço, o Sr. Gaspar e vários outros (essa história ainda tem que ser escrita, penso). Ficaram as cores alvi-negra na sua bandeira, e saiu uma águia e entrou outra. Para quem vivia a paranóia da simbologia, grandes concessões foram estas.

Mas, mais que tudo, ficou a vontade e o espírito.

Hoje, volvidos todos estes anos, e começando Moçambique a entrar numa fase de crescente normalidade, em que o passado cada vez mais dificilmente pode ser equacionado com a mesma têmpera com que foi nos anos loucos que sucederam imediatamente à Independência, regressa um maior equilíbrio. Maputo, agora correctamente, celebra o seu aniversário não quando Samora Machel proclamou num comício a sua mudança de nome, mas quando um colono qualquer, a mando de Lisboa, a elevou a cidade em 1887.

Assim, o Desportivo celebra hoje 90 anos desde que foi fundado.

Em Portugal, onde muitos dos antigos sócios e atletas passaram a viver após meados dos anos 70, ainda hoje há reuniões anuais do clube. O ano passado, um membro da actual direcção do Desportivo de Maputo esteve numa dessas reuniões. Ali, até sugeriu criar-se uma “Casa do Desportivo” de Maputo em Portugal. Foi um gesto simbólico, foi simpático até, mas tapar o fosso do que aconteceu não é coisa fácil, especialmente para este grupo de pessoas.

O que existe em Maputo não é ainda, e duvido que alguma vez o venha a ser, o Desportivo que eu conheci e onde cresci. O Desportivo era sobretudo as pessoas que o frequentavam, o que faziam e os valores que ostentavam. Não era sobre as instalações.  Depois de quase quarenta anos, todos nós seguimos os respectivos percursos. A vida não pára. Mas há lá alguma coisa de nós todos que lá estivemos naquelas pedras e ainda nalgumas pessoas.

E vai haver sempre algo do Desportivo dentro de mim e de outros.

Por tudo isso, hoje considero apropriado fazer um brinde. A tudo o que foi, a tudo o que é.

E principalmente a tudo o que todos podemos vir a ser, neste caso nós e os nossos filhos.

Brindo, mais que aos 90 anos do Desportivo que foi Lourenço Marques e que é “de” Maputo, à resiliência dos ideais de competição sã, de integridade, de comunidade, de fair play e de excelência, que estavam na sua essência, valores que eu creio os actuais sócios e dirigentes do Clube sabem que existiram e que até, pelo seu valor intrínseco, os inspira.

Se de facto desses valores embuído, o Desportivo de Maputo nunca deixará de ser o que foi começando naquele fim de Maio de 1921, e continuará a ser, na grande capital e no país que é agora – e desde há 36 anos – dono do seu destino.

Com um pouco de sorte, conto estar por aí para assinalar os 100 anos da sua existência e dizer então, com um sorriso

Desportivo para sempre.

Maio 14, 2011

FERNANDO BRITO E NADADORES DO DESPORTIVO LM, 1975

Foto gentilmente enviada pelo Fernando Brito.

Se souber os nomes dos que estão na fotografia, por favor escreva para aqui.

Os mufaninhas da natação em 1975. O Fernando Brito, que ofereceu esta fotografia, é, do que estão ajoelhados, é o primeiro à esquerda. Segue-se a grelha. De pé: P1 (irmão do Licínio), P2, P3, P4 e Luis Diniz. De joelhos, da esquerda: Fernando Brito, J2, J3, J4, J5 e J6. Foi tirada na deslocação a cidade da Beira em 1975. Estes eram alguns nadadores da comitiva.

Março 28, 2011

A ARTE NO DESPORTIVO DE MAPUTO

Filed under: 1940 anos, 2010 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 5:13 pm

As fotos em baixo foram-me enviadas como fazendo parte de uma amostra de “art deco” de Maputo, ou melhor, da velha Lourenço Marques. O que, sendo curioso pois esta obra foi feita em 1948-49, portanto depois da fase de art deco, mas enfim, para quem se lembra não deixa de um mimo. Gostaria muito de colocar aqui o nome do fotógrafo, que não sei quem foi. Pois as fotos em si são uma pequena obra de arte.

A arte que decora a parede elevatória da piscina do Desportivo, do lado da entrada no clube.

Segunda de três imagens.

A terceira de três imagens.

O DESPORTIVO DE MAPUTO NO FACEBOOK

Filed under: 2010 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 4:55 pm

O emblema do Desportivo de Maputo.

Recebi hoje nota da minha querida Solange que o Desportivo de Maputo tem uma página e um “grupo” na rede social Facebook.

Para ver o grupo prima AQUI.

Para ver a página veja AQUI.

Para poder aceder, o exmo. Leitor tem que estar registado no Facebook, o que é um procedimento simples.

Março 25, 2011

O GRUPO DESPORTIVO LOURENÇO MARQUES, SANTOS RUFINO, ANOS 20

Filed under: 1920 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO, Vista Geral — ABM @ 2:26 am

A imagem de cima deve ser vista como a metade da esquerda, a debaixo como a metade da direita.

Fundado em Maio de 1921 (completa 90 anos daqui a dois meses) o Desportivo teve como sua primeira sede a casa na primeira imagem, em baixo do lado esquerdo.

A implantação do clube ia até ao muro que se pode ver na imagem debaixo, do lado direito.

Em frente ao clube ficava situado o edifício feito de raíz para a Câmara Municipal da cidade, que ainda existe.

Em baixo à esquerda, a primeira sede do GDLM. Em grente a Câmara. Ao fundo pode-se ver um pavilhão e a Capitania e Alfândega da cidade naquela altura.

Ao centro pode-se ver o muro que delimitava os terrenos do Desportivo.

Março 23, 2011

AMÉLIA SAMPAIO NA PISCINA DO DESPORTIVO, ANOS 60

Foto gentilmente cedida por Amélia Sampaio (Cerqueira) que nadou na Associação do Velhos Colonos de Moçambique.

 

Foto 1.

Março 3, 2011

A PISCINA DO DESPORTIVO LM EM 1971

Foto tirada pelo meu pai, Botelho de Melo.

 

A piscina do Grupo Desportivo Lourenço Marques está situada por cima de onde, na altura da fundação do clube em 1921, se situava o original campo de futebol. Foi inaugurada no dia 24 de Julho de 1949, em cerimónia presidida pelo Governador-Geral de então, na data em que, até à Independência, era celebrada como o feriado municipal da cidade, alusiva à decisão do Marechal Mac-Mahon em 1875 de atribuir a Portugal a razão na disputa com o Reino Unido sobre a posse do território no lado Sul da Baía. A dimensão da piscina é 33.3 metros x 25 jardas, considerada na altura de dimensão olímpica (o padrão foi alterado mais tarde para 50 metros). Na parte Sul tem uma profundidade de mais de 4 metros, permitindo o seu uso para a prática de saltos, para o que está apetrechada com pranchas de 3,5 e 10 metros. Dada a porosidade do terreno, com uma quota de água de menos de um metro, a piscina literalmente está a "boiar", suspensa por enormes caixas de ar de cimento que estão sob o solo. Senão, dado o enorme peso da água....afundava-se. Sessenta e dois anos mais tarde, este gesto de meia dúzia de sócios do clube nos anos 40 ainda está ao serviço dos actuais sócios do Desportivo.

Fevereiro 14, 2011

OS TUDELLAS NO DESPORTIVO, ANOS 60 E 70

Fotos gentilmente cedidas por Maria João Tudella, filha de Rodrigo Tudella.

Os Tudellas na piscina do Grupo Desportivo LM, anos 60. No grupo está o decano da família, Rodrigo de Sousa Tudella de Castilho, que era Cabo de Piloto do Porto de Lourenço Marques. O filho, Rodrigo, fazia parte da "mobília" do clube. Nadou e treinou e jogou hóquei. O Rodrigo está sentado no bloco da pista 9.

Na piscina dos pequenos, a Carla Marina (que só está a coçar o nariz), a Maria João Tudella (filha do Rodrigo Jr) e a Chilita.

Rodrigo Tudella e a mulher.

Janeiro 30, 2011

O GRUPO DESPORTIVO DE MAPUTO, 2011

Filed under: 2010 anos, Desportivo, DESPORTIVO LM/MAPUTO, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 12:15 am

A foto é de Fábio Amargar.

O actual emblema do Grupo Desportivo de Maputo, entidade que, ainda não se entendeu bem, é a continuação, ou o sucedâneo, do Grupo Desportivo Lourenço Marques.

A entrada do Grupo Desportivo de Maputo. A bandeira à porta sugere que é o mesmo Desportivo desde 31 de Maio de 1921.

Janeiro 18, 2011

PIDGI, LUIS ENES DA SILVA E CARLOS ÓTÃO NA PISCINA DO DESPORTIVO, ANOS 60

Esta foto é da Colecção de Eduardo e Cristina Horta, que gentilmente a enviaram.

Janeiro 17, 2011

JOÃO SANCHO E A PISCINA DO DESPORTIVO

Filed under: 1970 anos, Desportivo — ABM @ 2:54 am

Fotos de João Sancho.

Foi assim que passei a infância. Também.

João na piscina de 33 metros.

João na piscina dos Pequeninos do Desportivo.


Novembro 30, 2010

AMÉLIA SAMPAIO E LUCÍLIA CAPELO NO DESPORTIVO, ANOS 60

Esta fotografia foi gentilmente enviada por Amélia Sampaio Cerqueira.

Amélia Sampaio na piscina do Desportivo durante provas. Mais à direita está a Lucília Capelo e a mãe, D. Libertária.

Outubro 17, 2010

ALMOÇO DO DESPORTIVO E VISITA DE VP DO DESPORTIVO DE MAPUTO, 2010

No almoço e convívio dos antigos sócios do Desportivo realizado a 16 de Outubro passado na Linha do Estoril, compareceu Paulo Ratilal, actual VP do Desportivo de Maputo, que falou à audiência de 250 pessoas.

Estavam para vir mais dirigentes do grande clube de Maputo, mas as autoridades portuguesas parece que andaram aos papéis com os vistos e não vieram a tempo, o que é verdadeiramente, como se diz em Moçambique, uma “infelicidade”.

No seu excelente sítio, o Rogério Tutinegra dá boa cobertura do evento. As fotos podem ser vistas premindo AQUI.

A tropa do Desportivo.

Alice Aleixo, Dulce Gouveia, Jaime Santos, Manuela Botelho de Melo e Susana Abreu: os nadadores estiveram presentes.

No convívio do Desportivo, Arlindo Tavares (Mandioca), Paulo Ratilal (VP do Desportivo de Maputo) e Rogério Carreira.

O Desportivo em Maputo hoje em dia.

Outubro 11, 2010

GRUPO DESPORTIVO LOURENÇO MARQUES

Filed under: 1960 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 11:48 pm

O Desportivo creio que nos anos 60.

Mais uma imagem do Desportivo, desta vez tirada de Norte. Ao fundo, o Tribunal da Relação, que até à II Guerra Mundial foi a Câmara Municipal de Lourenço Marques.

Outubro 4, 2010

O DESPORTIVO VISTO DO AR, ANOS 60

Filed under: 1960 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 12:37 am

Postal da época. Em baixo pode-se ver a piscina e a sede do Desportivo, bem como um dos campos.

Para ver a imagem em maior detalhe, prima duas vezes na foto.

Lourenço Marques, anos 1960. A sede e piscina do Desportivo podem ser vistas em baixo

Older Posts »

Create a free website or blog at WordPress.com.