THE DELAGOA BAY COMPANY

Junho 3, 2011

BREVES SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO CULTURISMO EM MOÇAMBIQUE, PELO PROF. RUI BAPTISTA

O esplêndido edifício do templo maçónico de Lourenço Marques, na Avenida 24 de Julho, em meados dos anos 1920. Choca ver que, sendo ainda hoje em Portugal a maçonaria assunto de faca e alguidar, em Moçambique era assunto tratado à vista de toda a gente. Poucos anos depois veio o novo regime e o edifício foi convertido na Escola Industrial - e onde o Prof. Rui Baptista ajudou a formar gerações futuras. Suponho na altura que os maçónicos voltaram todos de volta para o undergound.

(texto da autoria do Sr. Prof. Rui Baptista)

Respondendo ao amável convite do meu amigo António Botelho de Melo (Tomané), sempre pronto em noticiar acontecimentos desportivos ocorridos nessa saudosa terra do Índico, eis-me aqui novamente, com o prazer que me dá recordar esses tempos.

Começo  por transcrever pequenos excertos de uma longa entrevista por mim dada ao jornal moçambicano “NOTÍCIAS” (23/09/1963), em  vésperas da realização dos “Campeonatos Abertos de Bench Press”, inseridos nas Comemorações do 39º ano do Clube Ferroviário de Moçambique:

“Natural me parece que o Ginásio apresente uma equipa mais forte. Fundamenta-se esta minha convicção na existência da sua secção de Pesos e Halteres ainda mesmo antes da minha chegada a esta  cidade vai para cima de seis anos. O Ferroviário tem a sua secção a funcionar  há mais ou menos dois anos. Forçosamente, este é  um factor a ter em  consideração. Seja como for, a equipa que treino  vai na disposição de discutir o primeiro lugar, já que o segundo está desde já ao seu alcance!!! O que mais importa é o progresso da modalidade que só será possível e desejável  com competições deste género.

O júri deste concurso  é constituído por um presidente (convidado pelo Ferroviário)  e por dois juízes: um do ginásio e outro  do clube organizador (Ferroviário). Foi convidado para presidir ao júri , o Delegado da Federação Portuguesa de Ginástica em Moçambique , o major Garcia Alvarez,  sendo os juízes por parte  do Ginásio e do Ferroviário, respectivamente, os senhores Carlos Costa e Epifânio Cunha.

Tínhamos ouvido o suficiente para esclarecermos os nossos leitores do que será a realização dos ‘locomotivas’  no campo dos pesos e halteres.

Agradecemos ao professor Rui Baptista a atenção dispensada e ele lá foi  para a sua tarefa de contribuir para que a juventude local se torne mais forte e saudável pela cultura física , praticada em bases pedagógicas certas,  de experiência e saber feitas por quem sabe o que quer e para onde caminha, através de uma acção profissional assente em preparação que se torna indispensável para bem servir e cumprir!”

Finalmente, na noite de 28 de Setembro de 1963, realizou-se, no Ginásio do Clube Ferroviário, repleto de um público entusiasta, a referida competição com a participação de sete atletas do Ginásio de Lourenço Marques, 12 do Clube Ferroviário de Moçambique e um independente. Dou agora notícia dos atletas classificados nos primeiros três lugares das três categorias: leves, médios e pesados. Assim:

CATEGORIA DE LEVES (atletas com o peso corporal até 67,5 quilos )::

1.º Carlos António (Carvalhinho), do Clube Ferroviário de Moçambique (CFM) com o peso corporal de 60 quilos, e o levantamento de 101,925 quilos.

2.º Pedro Laranjeira, do CFM, com o peso corporal de 62,5 quilos, e o levantamento de 86,07 quilos.

3.º Artur Roxo, do CFM, com o peso corporal de 65,1 quilos, e o levantamento de 86,07 quilos.

CATEGORIA DE MÉDIOS ( atletas com o peso corporal até 82,5 quilos):

1.º Rui Baptista, do CFM, com o peso corporal de 75 quilos,  e  o levantamento de 122,31 quilos.

2.º Veloso do Amaral, Ginásio de Lourenço Marques (GLM), com o peso  corporal de 71,9 quilos, e o levantamento de 117,78 quilos.

3.º Manuel Carvalho (Baião), do GLM, com o peso corporal de 79,5 quilos, e o  levantamento de 117,78 quilos.

CATEGORIA DE PESADOS (atletas com o peso corporal acima dos 82,5 quilos):

1.º José Coelho, do CFM; com o peso corporal de 90 quilos, e o levantamento de 134,08 quilos.

2.º Leong Siu Pun, do GLM, com o peso corporal de 83,2 quilos, e o levantamento de 131,37 quilos.

3.º Fernando Morgado, do CFM, com o peso corporal de 85,5, eo levantamento de 80,6 quilos.

Para a classificação por equipa (conforme constava do regulamento do concurso) foram atribuídos 3 pontos ao 1º. classificado de cada uma das categorias, 2 pontos ao 2.º classificado e 1 ponto ao 3.º classificado. Venceu a competição a equipa do Clube Ferroviário de Moçambique com  13 pontos, tendo a equipa do Ginásio de Lourenço Marques obtido 5 pontos.

Julgo de interesse referir que nesse tempo os esteróides, substâncias aceleradoras do crescimento da massa muscular e aumento da força,  não  constavam da preparação “química e criminosa” destes atletas tornando estes resultados  de grande nível nacional (não tenho dados comparativos que  me permitam considerar uns tantos como recordes nacionais). Mais esclareço que todos estes resultados estão certificados por dois  artigos do jornal  “Tribuna” (respectivamente publicados  em 29 de Setembro e 1 de Dezembro de 1963), cujos recortes mantenho em meu poder numa pasta de artigos que o tempo e as traças tentam destruir.

Por último, seria interessante que algum ou alguns dos atletas que participaram neste Campeonato enriquecessem este modesto post com os seus comentários. Seria uma forma de avivar a recordação desses tempos e estabelecer contacto  com atletas que muito dignificaram o culturismo moçambicano. Valeu?

Anúncios

Dezembro 1, 2010

A ESCOLA INDUSTRIAL MOUZINHO DE ALBUQUERQUE, por RUI BAPTISTA

Em seguida se reproduz um texto da autoria do Senhor Professor Rui Baptista, que leccionou naquele estabelecimento de ensino a gerações de estudantes.

A fachada da Escola Industrial em Lourenço Marques. Anteriormente, foi um templo maçónico. Hoje creio que é um instituto de ensino.

por Rui Baptista

Transcrevo um post por mim publicado, no passado em 27/10/2010, no blogue “De Rerum Natura” que mais não é do que uma singela homenagem a alunos da Escola Industrial Mouzinho de Albuquerque de Lourenço Marques, dela amplamente credores pelo reconhecimento público de uma boa formação escolar – que lhes deu acesso a cursos de Engenharia – e cívica que pode e deve servir de exemplo à grande maioria dos alunos do ensino secundário actual.

A TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS

Mais vezes do que aquelas que a minha paciência suporta, algumas vozes tentam convencer a opinião pública da bondade do boom operado no actual sistema educativo que se traduziu em aumentos exponenciais de cidadãos de posse de diplomas de ensino superior.

Tudo isto seria digno de encómio, ou mesmo de orgulho nacional, não se desse o caso de na percentagem de licenciados se incluírem todos os indivíduos com um pergaminho ou simples cartolina com o imprimatur do Estado que os iguala em direitos e os desiguala em deveres, numa espécie de preito a um demérito que a ética deve reprovar, a justiça obriga a rejeitar e um estado de direito não pode legitimar. Aqueles valores percentuais só são possíveis pelo desconhecimento de uma simples regra da adição no ensino primário que diz que não se podem somar pêras com maçãs.

Há quem diga que a actual situação, na qual a bolsa dos pais conta mais que a massa cinzenta dos filhos, se deve a uma louvável democratização do ensino, que faz com que indivíduos que ontem trabalhavam nas obras possam hoje pensar no acesso à universidade. Pena é, no entanto e por outro lado, que, devido ao desemprego de diplomados em engenharia, estes, por vezes sem o suficiente know-how, sofram agora o pesadelo de terem que ir trabalhar para as obras.

Ora este statu quo fica a dever-se a uma coisa bem simples, que repousa menos no direito constitucional à educação e mais no novo-riquismo da democracia portuguesa, que foi reconhecida pelo ex-ministro da Educação David Justino quando lamentava o facto de, no pós-25 de Abril, “se ter morto o ensino técnico e profissional, tendo-se perdido, com isso, quase 30 anos” (Diário de Coimbra, 10/12/2003).

Por acreditar num ensino técnico devidamente dignificado me fiz seu defensor por várias vezes nos media (v.g., “A extinção dos liceus e escolas técnicas”, Diário de Coimbra, 26/07/2001). Mas ouçamos, sobre esta temática, a voz de Howard Gardner, psicólogo da Universidade de Harvard e festejado autor da Teoria das Inteligências Múltiplas:

“Chegou a hora de alargar a nossa noção do espectro dos talentos. A contribuição mais importante que a escola pode fazer para o desenvolvimento de uma criança, é ajudar a encaminhá-la para a área onde os seus talentos lhe sejam mais úteis, onde se sinta satisfeita e competente. É um objectivo que perdemos completamente de vista. Em vez disso, submetemos toda a gente a uma educação em que, se somos bem sucedidos, a pessoa fica preparada para ser professor universitário. E, ao longo do percurso, avaliamos toda a gente de acordo com esse estreito padrão de sucesso. Devíamos passar menos tempo a classificar as crianças e mais tempo a ajudá-las a identificar as suas competências e dons naturais, e a cultivá-los. Há centenas de maneiras de ser bem sucedido e muitas, muitas capacidades que nos ajudarão a lá chegar”.

E, se é verdade que o direito à educação está estabelecido pela Constituição, igual direito se perfila no que respeita à cultura física e à prática desportiva. Mas daí a defender que o acesso à universidade deve ser para todos, independentemente das suas capacidades de trabalho, apresenta o mesmo vício de forma que considerar que aos praticantes de futebol de menor aptidão físico-motora deve ser facultada a integração nas equipas profissionais dos maiores clubes da 1.ª Liga de futebol. Em mera hipótese, suponhamos que Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo tinham sido obrigados a desistir das suas competências, para utilizar a classificação de Gardner, “corporal-cinestésicas” em favor de exigências “lógico-matemáticas ou linguísticas”. Não seriam eles hoje indivíduos a aumentar os números do desemprego e do insucesso escolar, mesmo que escamoteados em dados estatísticos para inglês ver?

Por este facto, considero que colocar indivíduos no ensino técnico-profissional depois de terem falhado anos consecutivos num ensino direccionado para o ingresso em escolas de ensino superior desacredita aquele ensino tornando-o numa escolha de último recurso. Urge mudar a mentalidade de uma sociedade arreigada a padrões obsoletos de sucesso, regressando a um ensino que, a partir do 6.º ano de escolaridade, seja capaz de indicar ao aluno o caminho a seguir, segundo as suas capacidades avaliadas em testes de aptidão vocacional. E, além disso, não misturando numa mesma escola secundária alunos de “caneta” com alunos que necessitam de oficinas devidamente apetrechadas e professores com a necessária formação técnica.

Julgo ter conhecimento de causa por ter iniciado a minha carreira docente na Escola Industrial Mouzinho de Albuquerque, da então Lourenço Marques, e ter-me deparado, décadas volvidas, com um “site” que homenageia o respectivo corpo docente em agradecimento dos seus alunos pela “formação recebida, quer como estudantes, quer como pessoas“. Reza essa homenagem:

“Naturalmente que, como em tudo, no respeitável corpo docente que ao longo dos anos leccionou na nossa escola, nem todos conseguiram ser populares, mas todos contribuíram, de uma forma ou de outra, para a nossa formação, quer como estudantes, quer como pessoas. Alguns deixaram a sua marca. (…) Ainda hoje, e eu faço notar isso aos meus filhos, eu sei o nome dos meus professores, e faço questão de realçar a sua competência. Pena que nem todos eles possam já tomar conhecimento de que também fazem parte da nossa saudade académica”.

É este ensino técnico, viveiro de profissionais de valor e de homens reconhecidos, que deve merecer o respeito dos cidadãos e o remorso de políticos que, em nome de uma sociedade sem classes, a transformaram numa sociedade desclassificada académica e profissionalmente. Só desta forma sairá reforçada uma educação, que não tenha como “única direcção a conveniência”, como escreveu Eça de Queiroz.

O Professor Rui Baptista reside na cidade de Coimbra e colabora regularmente no blogue De Rerum Natura.


Create a free website or blog at WordPress.com.