THE DELAGOA BAY COMPANY

Novembro 17, 2011

EQUIPA DE HÓQUEI DE MOÇAMBIQUE HOMENAGEADA EM MAPUTO, 2011

A equipa de hóquei em patins, classificada em 4ª lugar no Campeonato Mundial 2011 na Argentina. Para ver em tamanho maior, prima duas vezes na imagem com o rato do seu computador.

Recorte do jornal Correio da Manhã (Maputo) de 17 de Novembro de 2011. A M-Cel, o maior operador de telefonia móvel em Moçambqiue, foi o principal patrocinador da equipa nacional moçambicana de hóquei em patins.

Os campeões de Moçambique celebram um jogo.

Dois jogadores.

Anúncios

Novembro 11, 2011

MOÇAMBIQUE NO MUNDIAL DE HÓQUEI EM PATINS 2011: KIKO ESCULUDES E FREDERICO SARAIVA

Foto de um sítio de hóquei em patins que não consegui identificar.

Kiko Esculudes e Frederico Saraiva, jogadores da equipa de hóquei em patins de Moçambique, durante o recente campeonato mundial na Argentina.

Outubro 2, 2011

HÓQUEI EM PATINS MOÇAMBICANO EM 4º LUGAR NO MUNDIAL 2011

O setique de Francisco Velasco. Para saber a história veja a ligação em baixo.

 

(

(Para ver a história do setique de Francisco Velasco, um superlativo do hóquei em patins desenvolvido em Moçambique, ver AQUI).

Alfuns comentários sobre o desempenho da equipa de Moçambique em hóquei em patins, que ficou em 4º lugar este fim de semana no Mundial 2011, que se disputou na Argentina.

Sobre o jogo com Portugal, que ganhou por 8 a 2 (jornal Público de Lisboa)

A selecção de Portugal de hóquei em patins goleou Moçambique (9-2) e alcançou o terceiro lugar no Campeonato do Mundo, que termina com a final entre a Espanha, campeã mundial, e a anfitriã Argentina.

Com o terceiro lugar, a selecção portuguesa, afastada na sexta-feira da final pela Argentina, repete a posição alcançada na última edição do Campeonato do Mundo, em 2009, e também em 2005.

Frente a Moçambique, a surpresa neste Mundial, Portugal, com André Azevedo como novidade no cinco inicial, sofreu um golo aos três minutos, numa execução primorosa de Carlos Saraiva, que endossou a bola para a baliza quando esta ainda viajava pelo ar.

A equipa de Rui Neto reagiu e começou a desenhar a goleada por Luís Viana, na sequência de uma grande penalidade.

Diogo Rafael, estreante num Campeonato do Mundo, fez o 2-1 e o 3-1, numa altura em que Moçambique revelava dificuldades para chegar à baliza de Portugal.

Antes do intervalo, Valter Neves elevou para 4-1, completando uma acção da formação portuguesa, que não precisava de aumentar muito o ritmo do jogo para criar perigo.

No segundo tempo, Portugal continuou a desenvolver o seu jogo com tranquilidade e, quando acelerava a circulação de bola, criava situações de golo.

Por isso, não foi de estranhar que novamente Diogo Rafael marcasse o 5-1 nos minutos iniciais, para depois Caio assinar o 6-1 e Luís Viana bisar com o 7-1.

Com Domingos Pinho na baliza, Carlos Saraiva marcou o segundo golo de Moçambique e assumiu a liderança da lista dos melhores marcadores do Mundial da Argentina, com 13 golos, mais um do que o argentino Alvarez, que joga na final com a Espanha.

Nos últimos minutos, Reinaldo Ventura e Ricardo Barreiros fixaram o resultado, um dia depois da derrota de Portugal frente à Argentina, num jogo em que os portugueses se queixaram muito da arbitragem.

De resto, Fernando Claro, presidente da Federação Portuguesa de Patinagem, disse à RTP que a estrutura vai enviar uma exposição à entidade internacional que superintende a modalidade sobre os erros na arbitragem no jogo com a Argentina.

Sítio “mundook” na internet

A selecção de Portugal de hóquei em patins goleou Moçambique (9-2) e alcançou o terceiro lugar no Campeonato do Mundo, que termina com a final entre a Espanha, campeã mundial, e a anfitriã Argentina.

Com o terceiro lugar, a selecção portuguesa, afastada na sexta-feira da final pela Argentina, repete a posição alcançada na última edição do Campeonato do Mundo, em 2009, e também em 2005.

Frente a Moçambique, a surpresa neste Mundial, Portugal, com André Azevedo como novidade no cinco inicial, sofreu um golo aos três minutos, numa execução primorosa de Carlos Saraiva, que endossou a bola para a baliza quando esta ainda viajava pelo ar.

A equipa de Rui Neto reagiu e começou a desenhar a goleada por Luís Viana, na sequência de uma grande penalidade.

Diogo Rafael, estreante num Campeonato do Mundo, fez o 2-1 e o 3-1, numa altura em que Moçambique revelava dificuldades para chegar à baliza de Portugal.

Antes do intervalo, Valter Neves elevou para 4-1, completando uma acção da formação portuguesa, que não precisava de aumentar muito o ritmo do jogo para criar perigo.

No segundo tempo, Portugal continuou a desenvolver o seu jogo com tranquilidade e, quando acelerava a circulação de bola, criava situações de golo.

Por isso, não foi de estranhar que novamente Diogo Rafael marcasse o 5-1 nos minutos iniciais, para depois Caio assinar o 6-1 e Luís Viana bisar com o 7-1.

Com Domingos Pinho na baliza, Carlos Saraiva marcou o segundo golo de Moçambique e assumiu a liderança da lista dos melhores marcadores do Mundial da Argentina, com 13 golos, mais um do que o argentino Alvarez, que joga na final com a Espanha.

Nos últimos minutos, Reinaldo Ventura e Ricardo Barreiros fixaram o resultado, um dia depois da derrota de Portugal frente à Argentina, num jogo em que os portugueses se queixaram muito da arbitragem.

De resto, Fernando Claro, presidente da Federação Portuguesa de Patinagem, disse à RTP que a estrutura vai enviar uma exposição à entidade internacional que superintende a modalidade sobre os erros na arbitragem no jogo com a Argentina.

Setembro 30, 2011

BAYETE NGONHAMAS! – A SELECÇÃO DE MOÇAMBIQUE NAS MEIAS-FINAIS DO MUNDIAL DE HÓQUEI EM PATINS

As selecções nacionais de hóquei de Moçambique e do Brasil. Nos quartos de final do Campeonato Mundial, Moçambique venceu o Brasil por 9 a 6.

Os moçambicanos celebram a vitória sobre o Brasil no final do histórico encontro que colocou Moçambique nas meias finais do Campeonato do Mundo de hóquei em patins. Jogo disputado ontem, 5ª feira, 29 de Setembro de 2011, em San Juan, Argentina. Foto de Fábio Lima e o jornal desportivo português Record, aqui reproduzida com vénia.

Texto do correspondente especial da agência angolana de notícias Angop:

Após ter falhado a organização do presente campeonato do mundo, a selecção sénior masculina de hóquei em patins de Moçambique venceu o Brasil por 9-6 e está apurada para as meias-finais do mundial que decorre em San Juan, Argentina. Depois de um forte início de jogo por parte de Moçambique, que  logo ao primeiro ataque fez o golo, previa-se um jogo bastante renhido entre os dois falantes da língua portuguesa. Com o decorrer do jogo, o Brasil ainda chegou a construir uma larga vantagem de 6-2, que fazia crer que já era uma certeza nas meias-finais. Mas contra a corrente do jogo eis que Moçambique foi buscar forças ali onde não existia e conseguiu inverter o  quadro acabando por marcar mais golos e deitar por terra o sonho dos brasileiros, que entraram para o desafio como principal favorita. A festa não foi apenas dos moçambicanos na quadra, mas também contagiou os argentinos que diariamente fazem-se presentes no pavilhão Aldo Cantoni. Os golos da partida foram rubricados por parte de Moçambique por Carlos Saraiva, Bruno Pimentel e Mário Rodrigues. Na meia final, a Moçambique defrontará a campeã em título, a forte selecção da Espanha, que  garantiu o apuramento para esta fase com uma vitória de 5-2 diante da Itália.

Do sítio da RTP na internet:

A seleção moçambicana de hóquei em patins qualificou-se, pela primeira vez na sua história, para as meias-finais de um Mundial, ao vencer, esta quinta-feira, o Brasil, por 9-6, em San Juan, na
Argentina.  Os brasileiros chegaram ao intervalo a vencer por 4-2, mas os africanos dominaram por completo a segunda metade, com um parcial de 7-2.  Carlos Saraiva foi a grande figura do encontro, ao marcar cinco golos, sendo os restantes tentos de Moçambique apontados por Mário Rodrigues, que “bisou”, Ivan Escludes e Bruno Pinto.  Cláudio Filho e Alan Karam foram os melhores marcadores do Brasil, ambos com dois tentos. Maurício Júnior e Jurandy Silva apontaram os outros golos.

Do sítio “O Mundo do hóquei”:

Em mais um jogo entre duas equipas lusófonas (o terceiro deste mundial), voltou a haver equilibrio e bastante emoção até ao final da partida.

A equipa brasileira, entrou melhor em jogo, tendo estado a vencer no final da primeira parte por quatro bolas a duas, fruto dos golos marcados por Cacau e Alan Karam com dois golos marcados cada. Para os «mambas» descontaram Marinho e Fred.

Já na segunda parte, o continuava a impor-se no marcador, chegando a uma vantagem «confortável» para a seleção canarinha por seis a dois (Didi e Cacau).

A partir dos oito minutos da segunda parte, deu-se uma reviravolta inesperada, pelo menos, para todos os que assistiam ao jogo…

Aos oito minutos da segunda parte, Bruno Pimentel dá inicio a uma chuva de golos Moçambicanos, protagonizados pelo jogador da noite, Fred Saraiva, que concluiu com sucesso várias jogadas de contra-ataque, que culminaram num resultado final que ninguém esperaria deste jogo depois da vantagem alcançada pela mais experiente equipa Brasileira. Fred Saraiva, foi sem duvida alguma o homem do jogo, ao apontar seis dos nove golos Moçambicanos. Com este resultado, Moçambique, que já tinha garantido a melhor classificação de sempre, acontecesse o que acontecesse, continua a fazer história.
Com cerca de um mês de trabalho, o treinador Português Pedro Nunes, continua a comandar uma equipa surpreendente, constituída por jogadores experientes ( Bruno Pimentel ), e jovens luso-moçambicanos de grande valor ( Igor Alves, Marinho, Fred e Bruno Pinto ).

Quanto ao Brasil, também demonstrou bastante valor, tendo em conta que não teve as condições ideais para preparar a equipa, fruto da crónica falta de organização da Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação. Este misto de jogadores experientes em campeonatos europeus  (Didi, Cacau, Alan Karam e Michel) e jovens valores do hóquei Brasileiro (Jacson e Mauricinho ) irá agora lutar pela melhor classificação possível, depois de em 2009 ter terminado em quarto lugar, também na altura sem o mínimo de condições para o conseguir.

Resultado Final: Brasil 6-9 Moçambique

Golos:
Brasil
Alan Karam (2)
Cacau Selva (3)
Didi da Silva (1)

Moçambique
“Marinho” Rodrigues (2)
Bruno Pimentel (1)
Frederico Saraiva (6)

Do sítio do jornal Record:

O português Pedro Nunes, selecionador de Moçambique, prometera uma equipa a lutar pela vitória diante do Brasil e o jogo disputado esta quinta-feira demonstrou que não há limite para os aguerridos e determinados jogadores moçambicanos, que venceram por 9-6.

Diante da super favorita formação canarinha, os moçambicanos até entraram a vencer, mas os brasileiros responderam e rapidamente assumiram o comando do jogo, chegando ao descanso a vencer por 4-2.

Na etapa complementar, a equipa canarinha conseguiu manter o dominío e vencia por 6-4 a cinco minutos do final. Apoiados pelo público, os moçambicanos conseguiram empatar e num ápice construiram uma vantagem de três golos, garantindo uma vitória que lhes dá um inédito apuramento para as meias-finais.

Frederico Saraiva, com cinco golos, foi a estrela da partida, seguido pelo avançado Mário Rodrigues, do Sporting, que anotou três tentos. Cacau, do Benfica, fez três dos seis golos brasileiros.

ACTUALIZAÇÃO – SÁBADO, 1 DE OUTUBRO DE 2011 – PORTUGAL E MOÇAMBIQUE PERDEM NAS MEIAS FINAIS, DISPUTAM 3º LUGAR NO MUNDIAL DE HÓQUEI EM PATINS

Portugal perdeu com a Argentina por 4-3 e Moçambique com a Espanha com o mesmo resultado.

Texto do jornal O Jogo Online, de hoje, sobre o jogo entre Moçambique e a Espanha

A selecção moçambicana de hóquei em patins recuperou sexta-feira de três desvantagens face à tricampeã mundial em título Espanha e só caiu no prolongamento (4-3), na primeira meia-final do Mundial 2011, em San Juan, na Argentina.

A formação africana assustou os espanhóis, que bem podem agradecer à inspiração de Jordi Bargallo, autor de três tentos, entre os quais o “golo de ouro”, que acabou com o jogo pouco mais de um minuto após o início do tempo extra.

Os moçambicanos haviam replicado ao primeiro, segundo e terceiro tentos da Espanha, mas não o puderam fazer no prolongamento, no qual impera o “golo de ouro” ou, mais propriamente, a “morte súbita”.

“Não ganhámos… porque acabámos por perder, mas fizemos o nosso melhor jogo no Mundial, frente a uma equipa poderosíssima. É um sonho que não terminou aqui e estou imensamente satisfeito”, disse o seleccionador Pedro Nunes.

Mário Rodrigues, Carlos Saraiva e Bruno Pinto, este último a menos de três minutos do final do tempo regulamentar, apontaram os tentos moçambicanos, enquanto o portista Pedro Gil apontou o único golo espanhol que “fugiu” a Bargallo.

A formação moçambicana, que estava pela primeira vez nas meias-finais, vai lutar pelo bronze com o derrotado do embate entre a anfitriã Argentina e Portugal, enquanto a Espanha discutirá o título com o vencedor.

Site no WordPress.com.