THE DELAGOA BAY COMPANY

Novembro 11, 2011

MENS SANA IN CORPORE SANO – O PROF RUI BAPTISTA, 2011

Fotos amigavelmente extorquidas por mim ao Sr. Prof. Rui Baptista, cuja forma física aos 80 anos de idade (feitos em 19 de Maio) como pode ser atestado em baixo eu já não atinjo aos 51. C’est la vie. São aqueles pesos e halteres todos. Ah, mas ainda consigo carregar os sacos do supermercado para a patroa. Não sei se isso conta.

Mens Sana....

...et Corpore Sano.

Anúncios

Outubro 17, 2011

“DA PREPARAÇÃO FÍSICA DO JOGADOR DE FUTEBOL”, CONFERÊNCIA DO PROF. RUI BAPTISTA, 1967

(Texto da autoria do Sr. Prof. Rui Baptista.)

Em 20 de Setembro passado foi aqui publicado um post meu, intitulado ?Sobre a notável entrevista de Nuno Martins ao Diário de Notícias (11/09/20111)?, em que dei conta, ainda que pela rama, da publicação no “Notícias da Tarde”, de Lourenço Marques, de uma minha conferência: “Da Preparação Física do Jogador de Futebol”.

Por julgar ser de interesse público dar a conhecer que Moçambique, para além de ser um riquíssimo alfobre de atletas que muito dignificaram o desporto nacional, se preocupava, também, em teorizar uma prática desportiva suportada em conferências sobre esta matéria, envio o teor completo dessa conferência que deve ser interpretada à luz de uma época em que sobre os pesos caía o anátema de fazerem mal ao coração e “prender os músculos” tornando o atleta mais lento.

Aliás, em nossos dias, essa perspectiva deixou de ter suporte face à aplicação de exercícios de musculação intensos por parte dos futebolistas mais credenciados a nível mundial e de que Cristiano Ronaldo se fez paradigma.

Recorte 1 de 6. Para ler, aumente o tamanho da imagem premindo nela com o rato do computador duas vezes.

 

Recorte 2 de 6. Para ler, aumente o tamanho da imagem premindo nela com o rato do computador duas vezes.

 

Recorte 3 de 6. Para ler, aumente o tamanho da imagem premindo nela com o rato do computador duas vezes.

 

Recorte 4 de 6. Para ler, aumente o tamanho da imagem premindo nela com o rato do computador duas vezes.

 

Recorte 5 de 6. Para ler, aumente o tamanho da imagem premindo nela com o rato do computador duas vezes.

 

Recorte 6 de 6. Para ler, aumente o tamanho da imagem premindo nela com o rato do computador duas vezes.

Julho 27, 2011

A SELECÇÃO DE VOLEIBOL DE LOURENÇO MARQUES DA MOCIDADE PORTUGUESA, ANOS 60

Foto muito gentilmente enviada pelo Sr. Prof. Rui Baptista, treinador da equipa que se pode ver em baixo, que por sua vez lhe foi enviada pelo seu ex-pupilo, Amadeu Coelho, que por sua vez lhe foi enviada pelo seu amigo Vasco de Freitas, que a obteve do Grande Eduardo Horta, figura sempre grata nesta Casa. Fica aqui registado e depositado.

Amadeu Coelho foi campeão de pesos e halteres no campeonato de Lourenço Marques na categoria de pesos pesados, em representação do Clube Ferroviário de Moçambique. Talvez um dia destes ele mande para aqui umas fotos dos seus tempos. Actualmente vive para os lados de Mafra.

Para ver a foto em todo o seu esplendor, prima nela com o rato do seu computador.

A Selecção de Voleibol de Lourenço Marques da Mocidade Portuguesa, treinada pelo Prof. Rui Baptista. De pé, da esquerda: P1, P2, P3, P4, P5, P6 e P7. De joelhos: J1, J2, J3, J4 e J5. A quem souber os nomes, peço que escreva para aqui.

Junho 3, 2011

RUI BAPTISTA, ANOS 60

Foto genmtilmente enviada pelo Sr. Prof. Rui Baptista e retocada por mim.

O Prof. Rui Baptista leccionou na Escola Industrial em Lourenço Marques e era activo no culturismo e pesos e halteres.

O Prof. Rui Baptista, na Costa do Sol, na companhia de um dos seus seis filhos, Nuno Eduardo.

BREVES SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO CULTURISMO EM MOÇAMBIQUE, PELO PROF. RUI BAPTISTA

O esplêndido edifício do templo maçónico de Lourenço Marques, na Avenida 24 de Julho, em meados dos anos 1920. Choca ver que, sendo ainda hoje em Portugal a maçonaria assunto de faca e alguidar, em Moçambique era assunto tratado à vista de toda a gente. Poucos anos depois veio o novo regime e o edifício foi convertido na Escola Industrial - e onde o Prof. Rui Baptista ajudou a formar gerações futuras. Suponho na altura que os maçónicos voltaram todos de volta para o undergound.

(texto da autoria do Sr. Prof. Rui Baptista)

Respondendo ao amável convite do meu amigo António Botelho de Melo (Tomané), sempre pronto em noticiar acontecimentos desportivos ocorridos nessa saudosa terra do Índico, eis-me aqui novamente, com o prazer que me dá recordar esses tempos.

Começo  por transcrever pequenos excertos de uma longa entrevista por mim dada ao jornal moçambicano “NOTÍCIAS” (23/09/1963), em  vésperas da realização dos “Campeonatos Abertos de Bench Press”, inseridos nas Comemorações do 39º ano do Clube Ferroviário de Moçambique:

“Natural me parece que o Ginásio apresente uma equipa mais forte. Fundamenta-se esta minha convicção na existência da sua secção de Pesos e Halteres ainda mesmo antes da minha chegada a esta  cidade vai para cima de seis anos. O Ferroviário tem a sua secção a funcionar  há mais ou menos dois anos. Forçosamente, este é  um factor a ter em  consideração. Seja como for, a equipa que treino  vai na disposição de discutir o primeiro lugar, já que o segundo está desde já ao seu alcance!!! O que mais importa é o progresso da modalidade que só será possível e desejável  com competições deste género.

O júri deste concurso  é constituído por um presidente (convidado pelo Ferroviário)  e por dois juízes: um do ginásio e outro  do clube organizador (Ferroviário). Foi convidado para presidir ao júri , o Delegado da Federação Portuguesa de Ginástica em Moçambique , o major Garcia Alvarez,  sendo os juízes por parte  do Ginásio e do Ferroviário, respectivamente, os senhores Carlos Costa e Epifânio Cunha.

Tínhamos ouvido o suficiente para esclarecermos os nossos leitores do que será a realização dos ‘locomotivas’  no campo dos pesos e halteres.

Agradecemos ao professor Rui Baptista a atenção dispensada e ele lá foi  para a sua tarefa de contribuir para que a juventude local se torne mais forte e saudável pela cultura física , praticada em bases pedagógicas certas,  de experiência e saber feitas por quem sabe o que quer e para onde caminha, através de uma acção profissional assente em preparação que se torna indispensável para bem servir e cumprir!”

Finalmente, na noite de 28 de Setembro de 1963, realizou-se, no Ginásio do Clube Ferroviário, repleto de um público entusiasta, a referida competição com a participação de sete atletas do Ginásio de Lourenço Marques, 12 do Clube Ferroviário de Moçambique e um independente. Dou agora notícia dos atletas classificados nos primeiros três lugares das três categorias: leves, médios e pesados. Assim:

CATEGORIA DE LEVES (atletas com o peso corporal até 67,5 quilos )::

1.º Carlos António (Carvalhinho), do Clube Ferroviário de Moçambique (CFM) com o peso corporal de 60 quilos, e o levantamento de 101,925 quilos.

2.º Pedro Laranjeira, do CFM, com o peso corporal de 62,5 quilos, e o levantamento de 86,07 quilos.

3.º Artur Roxo, do CFM, com o peso corporal de 65,1 quilos, e o levantamento de 86,07 quilos.

CATEGORIA DE MÉDIOS ( atletas com o peso corporal até 82,5 quilos):

1.º Rui Baptista, do CFM, com o peso corporal de 75 quilos,  e  o levantamento de 122,31 quilos.

2.º Veloso do Amaral, Ginásio de Lourenço Marques (GLM), com o peso  corporal de 71,9 quilos, e o levantamento de 117,78 quilos.

3.º Manuel Carvalho (Baião), do GLM, com o peso corporal de 79,5 quilos, e o  levantamento de 117,78 quilos.

CATEGORIA DE PESADOS (atletas com o peso corporal acima dos 82,5 quilos):

1.º José Coelho, do CFM; com o peso corporal de 90 quilos, e o levantamento de 134,08 quilos.

2.º Leong Siu Pun, do GLM, com o peso corporal de 83,2 quilos, e o levantamento de 131,37 quilos.

3.º Fernando Morgado, do CFM, com o peso corporal de 85,5, eo levantamento de 80,6 quilos.

Para a classificação por equipa (conforme constava do regulamento do concurso) foram atribuídos 3 pontos ao 1º. classificado de cada uma das categorias, 2 pontos ao 2.º classificado e 1 ponto ao 3.º classificado. Venceu a competição a equipa do Clube Ferroviário de Moçambique com  13 pontos, tendo a equipa do Ginásio de Lourenço Marques obtido 5 pontos.

Julgo de interesse referir que nesse tempo os esteróides, substâncias aceleradoras do crescimento da massa muscular e aumento da força,  não  constavam da preparação “química e criminosa” destes atletas tornando estes resultados  de grande nível nacional (não tenho dados comparativos que  me permitam considerar uns tantos como recordes nacionais). Mais esclareço que todos estes resultados estão certificados por dois  artigos do jornal  “Tribuna” (respectivamente publicados  em 29 de Setembro e 1 de Dezembro de 1963), cujos recortes mantenho em meu poder numa pasta de artigos que o tempo e as traças tentam destruir.

Por último, seria interessante que algum ou alguns dos atletas que participaram neste Campeonato enriquecessem este modesto post com os seus comentários. Seria uma forma de avivar a recordação desses tempos e estabelecer contacto  com atletas que muito dignificaram o culturismo moçambicano. Valeu?

Create a free website or blog at WordPress.com.