THE DELAGOA BAY COMPANY

Março 8, 2012

DISCURSO DE TRÊS MINUTOS E MEIO DO SR MÁRIO WILSON, 2008

Vídeo gentilmente enviado para mim pelo insofismável Rogério Carreira.

Intervenção do Sr. Mário Wilson aquando do 108º aniversário do Sport Lisboa e Benfica, um clube de Lisboa.

Aqui se podem ver também Eusébio e o Sr. Mário Coluna.

 

 

Anúncios

Novembro 18, 2011

JOÃO ANTÓNIO RODRIGUES DE MORAIS – UMA VIDA DE DESPORTO EM MOÇAMBIQUE

Agradeço profundamente a João Morais e à sua filha Ana Sampaio, a disponibilização das informações, recortes e fotografias que seguem em baixo e num conjunto de posts que se seguirão, em que se fala não só do seu percurso desportivo mas também das fases de evolução dos desportos que praticou em Moçambique.

Em baixo, um resumo do seu percurso, dito na primeira pessoa, com algumas edições minúsculas minhas e algumas fotografias. No final, gradualmente inserirei as ligações para os diferentes desportos, de que destaco o rico espólio respeitante ao Karting em Moçambique, de que João Morais foi um dos pioneiros.

Este trabalho fica arquivado no índice à direita sob “Karting”, onde a presença de João Morais foi mais saliente.

JOÃO MORAIS, NA PRIMEIRA PESSOA

Nasci no dia 13 de Julho de 1935 em Anha, Viana do Castelo, em Portugal Continental.

Cheguei a Moçambique dia 6 de Janeiro de 1946 com 11 anos de idade. Era um domingo. Os meus pais procuraram em Moçambique a oportunidade de uma melhor vida e eu acompanhei-os nesse desafio.

Fiz a 3ª classe do ensino primário na escola Correia da Silva em Lourenço Marques.

A 4ª classe do ensino primário, fiz na escola Carvalho Araújo em Inhambane, em 1948.

Em 1950, regressei a Lourenço Marques, tendo em 1951 trabalhado nos “machimbombos”, até 1955.

Nesse mesmo ano -1955- ingressei na empresa industrial de tabacos “Fábrica Velosa”, como serralheiro mecânico, empresa onde estive trabalhei durante 21 anos… até Setembro de 1976, altura em que regressei definitivamente a Portugal.

Durante esses trinta inesquecíveis anos em Moçambique, pratiquei diversos desportos.

HÓQUEI EM PATINS

O cartão de patinador de João Morais da Associação de Patinagem de Lourenço Marques, época de 1953-1954.

Entre eles, o hóquei em patins pela “Casa do Funcionário”, mas infelizmente ao segundo jogo terminou o “Hóquei da Casa do Funcionário”.

Naquela altura, foi criada a “Taça de Moçambique” em hóquei e logo por azar, calhou-nos em sorteio o Grupo Desportivo Lourenço Marques”, que era nesse tempo a fina flor do hóquei. Faziam parte da equipa jogadores como; Garradas, R. Duarte, Gabriel, Adrião, Menezes e Lisboa. Nós éramos só cinco, ou seja; Aguiar, Russo, Pereira, Costa e eu o Morais, que nunca tinha pisado um ringue de hóquei, nem mesmo em treino.

Perdemos por 27-0.

No segundo jogo já não alinhei, mas também perdemos salvo o erro, por 17-0 e assim acabou o hóquei em patins para mim e também para a “Casa do Ferroviário”.

FUTEBOL

Depois veio o futebol. Como nessa altura eu trabalhava nos “Machimbombos” e o campo do 1º de Maio era logo ali na esquina, lá fui eu treinar para os juniores do Grupo Desportivo 1º de Maio. Estive ao lado de grandes jogadores como; Vicente Lucas da Fonseca e o irmão Matateu, este bem melhor que eu, daí eu ser dispensado tendo ido para o “São José de Inhambane” e depois para o “ Maritimo” onde estive cerca de um ano e meio e entrado em 5 ou 6 jogos.

A equipa de futebol em que o João Morais jogou. Para ver em maior detalhe, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador. Faltam os nomes, que, se souber, mande uma nota para aqui.

CICLISMO

O Ciclismo chamou-me entre 1955 até 1957, pelo “Sporting Clube de L.M.”, onde também encontrei grandes colegas tais como; Normando Magalhães e Amadeu Gouveia, entre tantos outros que de momento não me recordo, que muito me ajudaram.

João Morais sentado na sua bicicleta.

Éramos quatro corredores que representávamos o S.C.L.M., todos nascidos em Anha (actual freguesia de Vila Nova de Anha – Viana do Castelo). Eu, João Morais, Manuel Neiva, Manuel Barreto e o M. Enes (estes três já falecidos).

SERVIÇO MILITAR

Depois veio o serviço militar durante 18 meses na “Ilha da Xefina”, ou seja, na B.A.C. 2, onde consegui pela primeira vez dois primeiros lugares. Não em desporto, mas sim no regime militar ou seja, um na “Especialidade” e outro na “Escola de Cabos” o que na altura me trouxe grandes problemas com o então comandante do nosso quartel.

João chunguila no seu fato militar.

João Morais na Ilha da Grande Xefina, guardando a Pátria contra os...caranguejos.

João na Grande Xefina sentado em cima das peças de museu que defendiam a Pátria.

Pelo meio dos outros desportos, o João ainda fez um bocadinho de pesca desportiva. Aqui, entre colegas à entrada da Barra, em frente à ilha da Inhaca.

MOTOCICLISMO

Um ano (talvez) depois de ter acabado o serviço militar virei-me para o desporto motorizado. Motas…. A minha primeira mota era uma “Flloreti”, a segunda uma “Zundapp” e a terceira era própria para competição, uma “Gareli”.

Em Vila Luísa (actual Marracuene) João Morais fivou em 1º lugar na modalidade de motas com 49 centímetros cúbicos.

Tive muito boas prestações, entre elas a primeira prova em que entrei com a “Gareli” contra as “Pachanchos” (que foram preparadas em Braga para essa competição), fiquei em 1º lugar com um avanço de cerca de 3Km do 2º classificado. Prova disputada entre “Marracuene e Manhiça”.

MINI-RALIS

Entrei em dezenas de mini-ralis, ou seja, “A caça ao tesouro”, onde fiz parelha com o meu cunhado Simões (Alfredo Simões), a minha irmã Natália Simões e um grande amigo nosso, o Horácio, que era o cérebro intelectual da nossa equipa, tendo-nos levado a vencer mais de 20 provas.

Num rali, a colocar um dístico do Restaurante O Dragão, em Lourenço Marques.

Por volta de 1960 também isto terminou.

KARTING

Em 1964, comecei a construir o 1º karting (construi 4 kartings) e entrei nesse mesmo ano, no 1º campeonato de karting, quando já tinham decorrido as duas primeiras provas, tendo terminado em 2º lugar.

O 2º campeonato, correu-me muito bem porque em 12 provas, salvo erro, ganhei nove.

João Morais numa competição no autódromo em Lourenço Marques.

No 3º campeonato só corri 3 provas, onde tentei ajudar o meu colega de equipa, isto porque nessa altura viajei até Portugal por um período de cinco meses para conhecer a terra onde nasci.

O 4º campeonato não se chegou a realizar devido ao acidente que houve na prova de preparação para esse mesmo campeonato, tendo acabado aí o karting em Lourenço Marques.

Também para mim terminou aqui o desporto…

Em 1966 fui sócio fundador do Sport Lourenço Marques e Benfica com o nº 367.[nota: falta confirmar o ano]

Já em Portugal e ao serviço da empresa “Monte & Monte”, actual “Monte Adriano”, ainda entrei durante dois anos em provas de karting nos convívios de final de ano entre colegas de trabalho, mas aí já sentia o peso dos cabelos brancos na cabeça.

E são estas as recordações que tenho do meu passado desportivo, onde sempre fui influenciado pelos grandes amigos que em L.M. sempre tive e é isso que eu hoje recordo com enorme saudade. A grande amizade que havia entre todos nós e que eu nunca mais encontrei… No entanto, devo dizer que, embora tenha sido sempre influenciado pelos bons amigos que tive, houveram dois desportos que eu não pratiquei… o pára-quedismo, pelo amigo Robert Velosa, e a caça submarina por outro grande amigo, o Dick Velosa.

Não e NÃO….

(Fim)

Os troféus de uma vida desportiva rica.

João Morais com a neta, filha da Ana, em 2001.

LIGAÇÕES PARA POSTS DOS DIFERENTES DESPORTOS PRATICADOS POR JOÃO MORAIS

Karting –

Ralis –

Motas –

Ciclismo –

Novembro 11, 2011

VISITA AO DESPORTIVO DE MAPUTO POR JOSÉ CARLOS COSTA, 2008, PARTE 2 DE 2

Filed under: 2000 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 5:04 pm

A segunda parte de uma memorável visita do José Carlos Costa ao Desportivo de Maputo em 2008.

Para ver a primeira parte deste conjunto de fotografias, procure no índice deste blogue sob “Lourenço Marques/Maputo” e “Desportivo”.

Muito grato ao José Carlos por nos deixar ver estas fotografias.

A piscina dos Pequeninos.

Estampei-me muitas vezes naquele escorrega.

Nadei muito ali em baixo.

Ali havia um repucho.

Vista do topo do escorrega.

Mais uma perspectiva.

Acesso ao lado do basquet.

A piscina grande vista da pequena.

Mais uma vista da piscina de 33 metros.

O antigo campo de hóquei, que agora acho que é só de basquet - desenhado pelo Eng. Tomás Gouveia, pai da Dulce Gouveia, que vive em Cascais City.

O campo de basquet.

O espaço entre a piscina e o antigo campo de hóquei. Ao fundo, a sede, balneário e casa do Encarregado.

Campos de basquet, onde há muitos anos foram os campos de ténis.

Os campos de basquet ao lado da piscina grande.

O baleneário dos rapazes.

Mais uma imagem do balneário dos homens.

Sala dos troféus.

Sala dos troféus.

Sala dos troféus.

Vista para o terreno na parte de trás do Clube.

O terreno atrás do Clube.

Atrás do bar. Parece que os sapos fugiram.

Passagem onde antigamente éramos supostos lavar os pés antes de entrarmos no recinto da piscina grande. Pelos vistos está murado.

Pátio no exterior do bar. Aqui houve muito bingo, carnaval, fim do ano, matraquilhos, etc.

Mais uma visto do exterior do bar. Na altura, tudo em obras.

 

 

 

VISITA AO DESPORTIVO DE MAPUTO POR JOSÉ CARLOS COSTA, 2008, PARTE 1 DE 2

Filed under: 2000 anos, Desportivo, L.MARQUES/MAPUTO — ABM @ 4:32 pm

O José Carlos Costa, que cresceu como eu e outros no Desportivo (ele especificamente mencionou “o Zé Manel Abreu e irmãos, a Cló e restantes irmãos BM, Dulce, Carlos Oliveira, Paula Valadão, e toda aquela família do futebol, basquet e hóquei”), fez o favor de enviar as fotos que se seguem, que são uma visita fotográfica ao Desportivo de Maputo, feita há três anos. Uma boa parte do que se vê foi renovado, em parte graças ao grande evento desportivo ocorrido há uns meses em Maputo e aos esforços dos actuais sócios e direcção.

Aqui está a primeira parte de duas desta visita. Para ver a segunda parte, procure a Parte 2 de 2.

Ao Zé Carlos um entusiástico Kanimambo.

A entrada principal do clube.

A entrada e recepção/bilheteira.

Entrada.

Bilheteira.

O antigo busto do Governador Geral.

Não sei o que é que aconteceu ali mas aquilo era a entrada para o antigo campo de hóquei e mais tarde de basquet.

O original campo de hóquei e mais tarde de basquet. As bancadas desapareceram.

Desde então acho qie isto foi tudo renovado.

O antigo "escritório" do Eurico Perdigão e depois do Victor Cerqueira...

Sessenta e um anos depois o raio das pranchas não caem...

A piscina.

A placa recordando o nadador Jeffrey Hopf, que faleceu num acidente automóvel à entrada da passagem por detrás do Restaurante Oceânia, a seguir ao Clube Naval.

A piscina.

O que sobra do que nos anos 1970 foi o parque infantil com o nome da nadadora do Desportivo Elza Ferreira.

PARA VER O RESTO DESTE CONJUNTO DE FOTOGRAFIAS, VER A PARTE 2 DE 2.

Outubro 27, 2011

GUIDO DEL RE, NADADOR DO DESPORTIVO, ANOS 60 E 2000

Fotografias do Guido del Re, que nadou no Desportivo LM nos anos 50. Ele hoje vive no Texas com a família.

Guido a bater estilo à "Rebelde sem uma Causa" em Moçambique nos anos 60.

Guido numa foto recente, tirada...no Texas. Já mais executivo.

 

Guido com a patroa, Céu.

Outubro 25, 2011

ARMANDO ROCHA E DUAS DATAS: 1971 E 2009

Muito grato ao Armando Rocha pelo envio destas fotografias.

Em 1971, à porta do então Sporting de Tete: Boene, Betinho, Fausto, Amilcar, Armando Rocha e Mahomed.

Em 2009, no mesmo local, agora o Chingale de Tete, Armando Rocha.

Outubro 24, 2011

ENCONTRO DE RALISTAS DE MOÇAMBIQUE, 2002

Fotos gentilmente facultadas por Irene Grilo, filha de Aurélio Grilo.

João Botequilha e Aurélio Grilo.

Adelino Santos e Aurélio Grilo.

Aurélio Grilo e António Botequilha

Fernando Carvalho e Aurélio Grilo

Eugénio Cristóvão e Aurélio Grilo

Armando Lemos (Jacaré) e Aurélio Grilo

Carlos Demétrio da Silva e Aurélio Grilo.

José Paiva Henriques (Bomba) e Aurélio Grilo.

Spite e Aurélio Grilo.

Fakir e Aurélio Grilo.

Armando Lemos (Jacaré), Aurélio Grilo e João Carlos Sousa (Spite).

Xavier de Melo, Aurélio Grilo e o Zé Pedro Flores Cardoso. Dado que o Zé Pedro é lenda do hóquei, deve ter sido um "penetra" neste encontro.

António Grilo e Américo Ferreira da Silva.

Américo Ferreira da Silva e Aurélio Grilo.

Outubro 17, 2011

ANTÓNIO TRINDADE, CAMPEÃO DE TÉNIS EM MOÇAMBIQUE E EM PORTUGAL

A foto de António Trindade e Manuel Prata Dias está no fabuloso sítio Xirico.

As restantes fotos de António Trindade vieram dos sítios da Federação Portuguesa de Ténis e Lagossports.

 

António Trindade e Manuel Prata Dias em Lourenço Marques nos anos 1960. Os seus duelos ao longo dos anos tornaram-se legendários.

 

António Trindade continua em forma e joga cartas nos torneios para os madalas entre os 70-75 anos. Aqui, numa foto da Federação Portuguesa de Ténis.

 

António Trindade num jogo recente, em Portugal. Sempre campeão.

 

António Trindade, à direita, com Nuno Sousa, que não sei quem é.

 

 

MARIA JOSÉ SILVA, CAMPEÃ DE TÉNIS DE MOÇAMBIQUE, COM MANUEL SILVA, ANOS 2000

Foto gentilmente partilhada por Manuel Dias.

 

Manuel Dias, conhecedor do ténis de Moçambique até à Independência, escreveu o seguinte: “O nome completo da Maria José é Maria José Silva. Ela foi campeã até 1971. Antes dela houve duas, a Teresa Prata Dias e a Marina Pmentel. Em 1972/73/74, a campeã em juniores e séniores, foi a Mila Nunes. Ainda em1974, a Mila Nunes, foi campeã em Portugal em sngulares junior, pares-mistos e pares-senhoras.”

 

Há uns anos, após um tornneio de ténis. Da esquerda, Maria José, que foi campeã de ténis de Moçambique, Manuel Silva, João Maio Pai e João Maio Filho.

Outubro 10, 2011

OS RAPAZES DO BASQUET DO MALHANGALENE EM 2009 NA FIGUEIRA DA FOZ

Fotografias muito gentilmente enviadas por Irene Grilo.

 

Os rapazes do Malhangalene. Da esquerda: Eurico Monteiro; José Cardoso; João Domingues; Eustácio Dias; Costa Leite; David Carvalho e António Araújo.

Os rapazes segurando cópia da t-shirt criada em 1974 para celebrar a vitória do Malhangalene no Campeonato Nacional de basquet.

João Domigues e José Cardoso.

Eustácio Dias.

Outubro 5, 2011

O DESPORTIVO E O SPORTING DE LOURENÇO MARQUES (E DE MAPUTO), 1959 E 2009

A primeira foto é do Cândido Pimenta, tirada da reportagem “Especial de Natal” do jornal Notícias de Lourenço Marques.

A segunda foto foi enviada pelo Óscar Soeiro.

A ambos muito obrigado.

Vista aérea dos complexos do Grupo Desportivo e do Sporting Clube de Lourenço Marques, 1959. Nesta foto vê-se ainda as barreiras em frente ao Liceu Salazar e Hotel Cardoso antes da devastação resultante do Ciclone Claude, no início de 1964, que motivou uma enorme obra de sustentação da barreira. Note-se ainda que nesta altura ainda não havia sido construído a cúpula sobre o campo de basquet do Sporting, que ainda hoje existe como pode ser visto em baixo, numa foto recente.

O mesmo complexo, meio século depois da foto tirada em cima. Para ver esta foto em tamanho maior, prima duas vezes na mesma com o ponteiro do rato do seu computador.

Setembro 21, 2011

NOVO LIVRO SOBRE TRINTA E UM GRANDES DO FUTEBOL DE MOÇAMBIQUE, DE PAOLA ROLLETTA, LANÇADO NO DIA 15 DE SETEMBRO

A capa do livro "Finta Finta", formalmente lançado em Maputo no passado dia 15 de Setembro, com os patrocínios do Banco Comercial de Investimentos e da empresa de comunicações Vodacom.

Para quem seguiu e segue o futebol em Moçambique, ter e ler esta obra, a cuja confecção acompanhei em parte, é quase obrigatório.

Decalco de uma nota de imprensa (que como não podia deixar de ser martelei):

No livro finta finta, publicado pela Texto Editores e prefaciado pelo escritor moçambicano João Paulo Borges Coelho [vencedor do Prémio Leya há um ano com “O Olho de Hertzog”] Paola Rolletta traça a história do futebol moçambicano através de trinta e um retratos de jogadores e técnicos que levantaram alto o nome de Moçambique em todo o mundo, desde a década de 50 até hoje.

finta finta é principalmente uma homenagem a todos os jogadores e técnicos moçambicanos, famosos e anónimos, sonhadores e fazedores da história do futebol e da nação moçambicana. Os trinta e um retratos servem de amostra de quanto Moçambique tem contribuído para o desenvolvimento do futebol mundial, desde Costa Pereira até Dominguez, passando por Matateu, Mário Coluna, Eusébio, Abel Miglietti, Shéu, Calton Banze, Tico Tico…, entre outros «príncipes da bola», nas palavras de João Paulo Borges Coelho.

A maior parte dos grandes abordados nesta obra com 224 páginas repeltas de dados e de fotografias.

Apesar do seu papel, no dia-a-dia da sociedade moçambicana, o futebol nunca teve o lugar que merece na história, mas o futebol é história. Como já bem dizia o poeta José Craveirinha, através de uma simples bola, da forma de jogar, e organizar o próprio jogo, se pode conhecer até a história de um povo.

Paola Rolletta, jornalista italiana, vive em Moçambique, onde trabalha como freelancer para diversos órgãos de comunicação nacionais e internacionais. Muitos portugueses se recordarão das suas peças na RTP enquanto correspodente em Roma.  O futebol é uma das suas grandes paixões e como não tem talento no relvado, diverte-se a escrever sobre ele.

Paolla Rolletta, no centro, acaricia o saudoso Sr. Malangatana.

O livro, com 224 páginas, em edição bilingue em Português e em Inglês, reúne um grande número de imagens e informações históricas. Os textos foram editados por Gil Filipe e Margarida Donas Botto. As fichas técnicas foram elaboradas por Cloé Ribas. A tradução para o Inglês é de Paul Fauvet. O projecto gráfico foi desenvolvido por Luciana Hees. A revisão da obra do lado da Texto Editores esteve a cargo do meu caro Paulo Pires Teixeira. Ou seja, um elenco de luxo para um tema de luxo.

O livro já está à venda em Moçambique por vinte e poucos euros.. Agora só falta chatear alguém para a obra ser vendida em Portugal e adjacências também.

Para mais informações:

Texto Editores, Lda, telefone: 258 21499071; celulares: 258 823261460 ou 258 843261460; fax: 258 21498648; e-mail: info@me.co.mz; ou no endereço postal: Av. Julius Nyerere, Nº 46, r/c em Maputo, Moçambique.

Julho 14, 2011

O GRANDE DAVE ADKINS – UM AMERICANO NO BASQUET MOÇAMBICANO, ANOS 70 – EM 2011

Muito agradecido a Dave Adkins e ao Rogério Carreira pelas fotografias que aqui seguem.

 

Dave Adkins como muitos dos exmos leitores se recordarão dele, nos anos 70.

No seu excelente repositório de informação, o Rogério Carreira caracteriza numa linha a passagem do Norte-Americano Dave Adkins por Moçambique no princípio dos anos 70: “o Norte Americano Dave Adkins foi o treinador do Sporting no tempo de Mário Albuquerque, Nelson Serra, Rui Pinheiro, que ajudou a vencer em Luanda o Campeonato Nacional em 1973, com uma exibição de luxo frente ao Sport Lisboa e Benfica. Treinou também o Benfica , a Académica e o Desportivo.”

Mas há muito mais a dizer, e tive a sorte de a semana, após o Dave ter enviado uma sentida mensagem de condolências pelo falecimento de Adão Ribeiro, essa outra grande figura do basquet moçambicano e que conhecera bem, de estabelecer contacto com ele e pedir mais umas informações.

Dave Adkins jogou basquet desde jovem. logo na universidade (Cornell), cuja equipa de basquet integrou.

Em 1971 vai para a então Lourenço Marques, onde esteve no centro da evolução do basquet moçambicano até meados de 1974.

Nas suas palavras, traduzidas por mim (se bem que o Dave entenda bem e escreva razoavelmente português):

Eu treinei a Académica (Baganha, Gui, Quim Neves, Inc.) em 1972. Nesse ano ainda joguei algumas vezes como treinador-jogador, mas na altura não já estava na melhor forma física. Perdemos o campeonato provincial por um ponto contra o Sporting.

Em 1973 tive o privilégio de treinar a equipa veterana do Sporting de Lourenço Marques (Mário, Nelson, Luis A., Terry J., Ramão, Rui, Vitor, Simango, Tomané) e de os levar à final do campenato nacional de basquet, que vencemos ao derrotar o Benfica de Lisboa em Luanda por 102-77.

Em 1974 treinei a equipa de basquet do Desportivo (Lima e Cia.)

 Mais tarde treinei a equipa de basquet Hobart Devils, na liga profissionbal de basquet australiana, entre 1985-1989, a NBL durante três anos onde se fez um bom progresso com uma equipa que tradicionalmente tinha sido relativamente fraca. 

Em seguida, trabalhei durante dez anos como agente de atletas profissionais de basquet no estrangeiro, tendo colocado atletas na Austrália, Nova Zelândia, Japão e Europa.

Neste momento estou reformado e em vias de mudar-me, com a minha mulher Geneva, que conheci em Lourenço Marques onde ela trabalhava no consulado americano local, da cidade de Des Moines, no Estado de Iowa, para a cidade de Corpus Christi, no Texas.

Gostava de referir que os três anos que passei em Lourenço Marques e os contactos que tenho vindo a manter com a malta (sic) constituem pontos altos da minha vida pessoal e profissional. É sempre um enorme prazer contactar com antigos jogadores e treinadores do basquet de Lourenço Marques.

Quem quiser escrever uma nota ao Dave que escreva uma mensagem para aqui ou mande uma nota pedir o seu endereço de correio electrónico

1961. Dave em baixo à direita, na selecção de basquet do Midwest da NCAA, a liga americana de basquet universitário.

 

Dave Adkins em 1962 dá uma coça no seu adversário de Grinnell.

 

A equipa de basquet da Académica LM no tempo de Dave.

 

1972. As estrelas americanas numa digressão por Moçambique e Angola.

 

1973. O Sporting de Lourenço Marques atinge o zénite ao ganhar o campeonato nacional.

 

1973. Durante a primeira ronda do Campeonato Nacional de basquet em Luanda.

 

Luanda, 1973. Em apoteose, Dave é levado aos ombros da sua equipa - campeões nacionais.

 

Dave e Geneva passeiam em Joanesburgo, África do Sul, no dia...24 de Abril de 1974. No dia seguinte, um golpe militar em Lisboa prenunciou o fim da presença colonial portuguesa em África.

 

1979. Dave na Austrália.

 

1980. Dave, à direita, com dois craques do basquet australiano.

 

1987. Ainda na Austrália, Dave, à direita, com os Hobbart Devils, que pela primeira vez ganharam mais jogos do que os que perderam.

 

1996. Dave Adkins como agente de estrelas do basquet, aqui com alguns dos basquetebolistas que representou.

 

Em 1999, Dave Adkins publicou um livro sobre a sua carreira associada ao basquet. O livro pode ser comprado na Amazon, bastando ir ao sítio da Amazon na internet e colocar o nome dele ou o nome do livro.

 

Um comentário de Dave Adkins sobre a colocação de uma estrela do basquet americano.

 

Dave em 2005

 

Dave com a sua mulher Geneva em casa no Estado de Iowa, 2010. Em breve vão-se mudar para o Texas, onde o clima é mais....africano. Dave e Geneva copnheceram-se em Lourenço Marques, onde Geneva trabalhava no Consulado norte-americano local.

 

 

Junho 22, 2011

JORGE RIBEIRO E AS MOTAS, ANOS 70 E 2010

Filed under: 1970 anos, 2000 anos, Jorge Ribeiro, MOTOCICLISMO — ABM @ 4:56 pm

Fotos de Jorge Ribeiro.

Jorge Ribeiro durante uma corrida na pista do ATCM. Creio que é o Nº12, à frente.

Jorge Ribeiro numa foto tirada recentemente.

O ENFERMEIRO BRAVO

Fotos gentilmente cedidas pela Paula Bravo, filha desta figura incontornável de Lourenço Marques e que também trabalhou com, entre outros, o Desportivo.

 

Bravo com a mulher Natália e a filha Paula, de pé.

 

Aproveito para meter esta pois está muito interessante: Paula bebé. Levou um restaurozito.

 

...e também esta da Paula num concurso canino em Lourenço Marques com um....um...cão comprido.

AUGUSTO CABRAL, DESPORTISTA

Estas fotos foram gentilmente disponibilizadas por Agusto (Guta) Cabral, parte de uma grande família que fez história em Moçambique.

A equipa de basquet de Júniores masculinos do Desportivo. Ora vejam só quem são. De pé, da esquerda: José Luis Cabaço, Paulo Carvalho, Borrego, Pinduca, Faria e Mário. De joelhos: Augusto Cabral, Olden, Medeiros e Victor Chen.

Augusto Cabral maneja o barco.

Augusto faz ski algures em Portugal.

No court de ténis.

Num festival de hipismo.

Augusto Cabral numa foto recente.

Maio 31, 2011

RUI QUADROS, CAÇADOR, ANOS 60 E 2000

Filed under: 1960 anos, 2000 anos, Rui Quadros, TIRO DE MOÇAMBIQUE — ABM @ 9:21 pm

Fotos gentilmente cedidas pela Maria Quadros, a única filha de Rui Quadros.

O Sr Celestino Gonçalves, uma celebridade no mundo da fauna bravia moçambicana antes da Independência, teve a gentileza de enviar um comentário a estas fotografias que pela importância passo cá para cima. Ele tutela “Fauna Bravia de Moçambique“, um blogue sobre a sua temátia predilecta que constitui leitura obrigatória para quem conhece, conheceu ou quer conhecer o que aquilo é e foi e o que ele fez lá.

Escreveu o Sr. Celestino:

“É sempre bom recordar os amigos como o grande caçador RUI QUADROS!

Recordo a homenagem que lhe prestei quando nos deixou:

http://faunabraviademocambique.blogspot.com/2010/05/79-cacador-guia-rui-quadros-minha.htm

Um beijo carinhoso para a sua querida filha Maria!
Celestino”

Rui Quadros.

Rui Quadros novamente.

Rui com um jacaré e um senhor que não sei quem é.

Rui com a sua filha Maria, quando ela ainda era mufana.

Maio 19, 2011

ROMÃO FÉLIX MANUEL NO DESPORTIVO, ANOS 50

Filed under: 1950 anos, 1980 anos, 2000 anos, Eusébio da Silva Ferreira — ABM @ 11:18 pm

Fotos de Romão Félix Manuel.

Uma nota  pessoal. Falei hoje com Romão Félix, que, para minha supresa, me disse que era amigo do meu pai e que andou comigo ao colo quando eu era mufana. Ainda maior surpresa por descobrir que ele foi atleta do Desportivo (!) o meu clube de eleição até aos 15 anos. O que se segue são algumas fotos dos tempos do Desportivo e outras mais recentes.

Aqui, uma homenagem ao criador da figura do Parafuso, que marcou uma era.

E jogou pelo Desportivo.

A equipa de basquet de Infantis do Desportivo, 1951. Na imagem, de pe´da esquerda: Tavares, Helpídio, Cidrais, Toneca e Romão Félix Manuel. De joelhos: António Jorge, Varito, Freddy, Guilherme e Mandioca. Ou muito me engano ou alguns destes nomes,,,, deram em campeões.

1952, no campo de futebol do Desportivo em Lourenço Marques. Romão Félix Manuel recebe uma medalha da mão do jornalista Paula, num torneio patrocinado pelo Lourenço Marques Guardian. Ao fundo, do lado esquerdo, vê-se o Hotel Girassol.

Romão Félix Manuel na pele de um personagem que ele criou, o Parafuso.

Romão com duas figuras conhecidas (?) made in Moçambique. À sua esquerda António Calvário. À sua direita....the King!

Romão com um senhor que acho que vivia no Porto há uns anos.

Maio 18, 2011

RODOLFO ALBASINI, ANTIGO JOGADOR DO FUTEBOL CLUBE DO PORTO, ANOS 2000

Filed under: 2000 anos, FUTEBOL MOÇAMBIQUE, Rodolfo Albasini + — ABM @ 1:57 pm

Foto gentilmente enviada por Rogério Carreira.


Em baixo, uma fotografia recente do antigo futebolista do Futebol Clube do Porto, o recentemente falecido Rodolfo Albasini, nascido em Moçambique, aqui com a sua mulher Ambrósia.

O exmo. Leitor pode ver neste blogue um texto e fotografias com mais detalhes sobre este grande atleta, bastando para tal procurar o seu nome no índice à direita, na secção de futebol.

Ambrósia e Rodolfo Albasini, numa fotografia recente.


Maio 13, 2011

LÍGIA RODRIGUES (MENDES) DÁ A VOLTA AO MUNDO E FAZ O JANTAR AO MESMO TEMPO, 2007

Foto de Lígia Rodrigues Mendes.

A Lígia nadou no Desportivo LM e é irmã do José e João Rodrigues, que foram campeões de natação.

A Lígia no Mahi Mahi, o barco onde, durante cinco anos, com o marido e os filhos, deu a volta ao mundo entre 2002 e 2007. A Lígia vive na África do Sul. Aqui a preparar o jantarinho de peixe fresco.

Abril 11, 2011

O SR. GOMES DO DESPORTIVO, 2008

Fotos gentilmente enviadas pelo Jorge Santos.

 

Março 28, 2011

RUI QUADROS, FILHA E NETA, 2009

Filed under: 2000 anos, Rui Quadros, TIRO DE MOÇAMBIQUE — ABM @ 9:58 pm

Foto de Jorge Cortez, alterada por ABM.

 

Maria, Rui e a neta.

 

Março 3, 2011

ANABELA, DULCE E LÍDIA GOUVEIA, 2000

As três irmãs Gouveia nadaram no Desportivo LM.

Três da irmãs Gouveia em Lisboa, ano de 2000. Da esquerda: Aurora Baptista (uma amiga) Anabela Gouveia, Dulce Gouveia, Lídia Gouveia e o Jack, marido da Lídia.

Fevereiro 10, 2011

AMADEU PEIXE: UMA VIDA, PARTE 2 DE 2

Estas fotos foram gentilmente enviadas por Michele Didier, filha do grande Amadeu Peixe.

A parte 1 desta apresentação vem atrás (fotos 1 a 20).

Foto 21. Foto histórica: Amadeu Peixe à esquerda, Rui Quadros à direita. Os dois búfalos naquele dia tiveram mesmo azar.

Foto 22. O Gungu, leãozinho bebé de Amadeu, a chuchar. A assistir atentamente, o cão e o macaco.

Foto 22A. Um búfalo posa com Amadeu Peixe.

Foto 23. A família Peixe na cidade. Michele ao colo de Amadeu.

Os Peixinhos no mato. Um brinca com o leão, o outro com o leopardo.

Foto 25. Michele no mato discute o futuro da nação. Na verdade, Amadeu deambulou para uma zona onde, na tribo que se vê na imagem, nunca tinham visto uma criança de raça branca tão pequena. Então o pessoal vinha todo ver Michele e apalpá-la para ver se ela era mesmo de verdade.

Foto. 26. A família posa com um elefante.

Foto 27. Depois de uma caçada, foto com o leopardo.

Foto 28. Amadeu com o seu troféu mais valioso: Michele.

Foto 29. Anos mais tarde, Amadeu, à esquerda, com a família.

Foto 30. Michele com o pai, Amadeu.

Foto 31. Amadeu ao centro, à esquerda Michele, à direita o Cláudio, o filho Nº 5 de Amadeu.

Foto 32. Amadeu com o Mauro Henrique, marido da Michele, e o seu neto Eric, foto tirada circa 2005, em Itaguai, Rio de Janeiro.

Foto 33. Amadeu com um miúdo após uma pequena caçada na Fazenda Bariloche, no Brasil, propriedade do seu amigo Carlos Henriques, que também era dono da Fazenda Resgate, onde Amadeu eventualmente faleceu. Na fazenda Resgate, que é suposto ser um paraíso, viveram nos tempos idos muitos escravos trazidos de...Moçambique.

Foto 34. Amadeu à esquerda com a filha Michele e a Fernanda, avó materna da Vanessa, irmã da Michele (enfim, long story). Aqui junto do Cristo do Corcovado, que para variar deve estar atrás de quem tirou a fotografia.

Foto 35. Amadeu em pose, em Itaguai, no Brasil. Uns anos mais tarde, foi viver para a Fazenda Resgate.

Foto 36. Na Fazenda Resgate, no Brasil, junto dum sítio chamado Bananal, na fronteira entre os estados do Rio de Janeiro e de São Paulo. A praticar o arco e flecha.

Foto 37. Amadeu atira ao alvo na Fazenda Resgate.

Para ler o livro que Amadeu escreveu sobre a sua vida, veja a ligação em baixo.

Para descarregar e ler o livro de Amadeu Peixe, procure aqui:

www.michelepeixe.com/amadeupeixe

Fevereiro 8, 2011

MARIA DE LURDES MUTOLA: ÍCONE DO DESPORTO MOÇAMBICANO

Filed under: 2000 anos, ATLETISMO, Maria de Lurdes Mutola — ABM @ 5:26 pm

Maria de Lurdes Mutola atingiu o nível mais alto de sempre em qualquer modalidade do desporto de Moçambique, só comparável a Eusébio.

Older Posts »

Site no WordPress.com.