THE DELAGOA BAY COMPANY

Setembro 29, 2013

32º ENCONTRO DOS ANTIGOS NADADORES DE MOÇAMBIQUE EM 26 DE OUTUBRO DE 2013

 

zzz

Convite e detalhes

Mapa de localização do local do Encontro.

Mapa de localização do local do Encontro.

Março 18, 2013

CAIXA DE FÓSFOROS DO GRUPO DESPORTIVO 1º DE MAIO DE LOURENÇO MARQUES

Filed under: 1940 anos, Caixa de fósforos do 1º de Maio — ABM @ 7:41 pm
Face de caixa de fósforos do Grupo Desportivo 1º de Maio, um clube histórico de Lourenço Marques.

Face de caixa de fósforos do Grupo Desportivo 1º de Maio, um clube histórico de Lourenço Marques.

Outubro 7, 2012

O GRUPO DESPORTIVO 1º DE MAIO NO XAI-XAI, 1946

Filed under: 1940 anos, 1º de Maio no Xai Xai 1946 — ABM @ 9:09 pm

Fotografia de Carla Pinhal, restaurada.

Para ver a foto em tamanho gigante, prima na imagem com o rato do computador.

 

“O Grupo Desportivo 1º de Maio no Xai Xai 1946”. O pai da Carla -Armindo Pinhal – está algures no meio do grupo…

Setembro 30, 2012

O 31º ENCONTRO DOS ANTIGOS NADADORES DE MOÇAMBIQUE REALIZA-SE A 27 DE OUTUBRO EM LISBOA

Filed under: 2010 anos, Convívio Natação Moç. 27.10.2012 — ABM @ 5:01 pm

A piscina do Grupo Desportivo Lourenço Marques, 1970. Para ver em tamanho gigante, prima na imagem com o rato do seu computador.

Desfile em Lourenço Marques, 1966, com membros da equipa de natação do Desportivo, à frente José Manuel Abreu, atrás: Ana Paulo Pinto, Lídia Gouveia, Anabela Gouveia, Alice Aleixo, Cló Botelho de Melo, etc.

Ajude a distribuir este documento enviado o link deste blogue aos seus amigos e inimigos.

Mapa de localização do restaurante, em Lisboa.

Junho 18, 2012

JOSÉ REIS RECEBE PRÉMIO DE HIPISMO, 1956

Fotografia da colecção de Regina Veloso e José Reis, gentilmente cedida e restaurada.

Para ver esta fotografia em tamanho maior, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

José Reis a receber da mão do Presidente da República portuguesa, Higino Craveiro Lopes uma medalha, em Lourenço Marques, durante a visita presidencial a Moçambique, 1956.

JOSÉ CRAVEIRINHA SOBRE REGINA VELOSO N’O BRADO AFRICANO, 1959

Filed under: 1950 anos, José Craveirinha - crónica, Regina Veloso — ABM @ 10:25 pm

Fotografia da colecção de Regina Veloso e José Reis, gentilmente cedida e restaurada.

 

Texto de José Craveirinha publicado em “O Brado Africano”. domingo, dia 18 de Julho de 1959.

Março 12, 2012

A EQUIPA DE NATAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE WITSWATERSRAND NA INAUGURAÇÃO DA PISCINA DO DESPORTIVO EM LOURENÇO MARQUES, 1949

Fotografia muito gentilmente enviada da África do Sul pelo meu colega da natação Pierre Jeanrenaud, que lhe foi enviada pela sua mãe, Maria de Lourdes Correa de Sousa Neves, filha do Dr. António de Sousa Correa Neves, que foi Presidente do Grupo Desportivo Lourenço Marques.

A equipa de nadadores sul-africanos, estudantes da Universidade de Witswatersrand em Joanesburgo, que se deslocaram a Lourenço Marques para a inauguração da piscina do Desportivo (então com dimensões olímpicas - 33.3 metros), no dia 24 de Julho de 1949.

Fevereiro 11, 2012

CARLOS OLIVEIRA, CÂNDIDO PIMENTA, TAYOB E MATA, 1970

Fotografia de Cândido Pimenta, gentilmente cedida e restaurada por mim.

Para ver esta fotografia em tamanho maior, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

Balatazar Rebelo de Sousa, então Governador-Geral de Moçambique, aqui acompanhado por Eduardo Paixão, escritor e que foi Presidente do Desportivo, cumprimentam (da esquerda) Carlos Oliveira, Cândido Pimenta, Tayob e Mata, que neste dia vestiam as cores da Selecção de futebol de Lourenço Marques.

Janeiro 3, 2012

A EQUIPA DE FUTEBOL DO 1º DE MAIO EM LOURENÇO MARQUES COM AMÁLIA RODRIGUES, 1951

Fotografia gentilmente cedida por José Guerreiro Martins e restaurada por mim.

Para os que não sabem, o Queirós ali em baixo de joelhos é o pai do Carlos Queirós, o que foi treinador da selecção portuguesa de futebol. Pois é.

Para ver esta fotografia no tamanho máximo, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador.

E a seguir a mesma imagem, melhorada com os poderes mágicos da Carla Moreira Ribeiro.

A equipa de futebol do 1º de Maio com a Diva em Lourenço Marques, 1951. De pé, da esquerda: Abibe, Acácio, Evaristo, Amália Rodrigues, Pontes, Inácio e Costa. De joelhos: Queirós, Bonifácio, Merali, F. de Almeida e José Guerreiro Martins.

 

A mesma fotografia, magicamente trabalhada pela Carla Ribeiro Moreira. Kanimambo!

Dezembro 25, 2011

O THE DELAGOA BAY COMPANY FAZ DOIS ANOS HOJE

Filed under: 2010 anos, Comentário, OUTROS — ABM @ 10:58 pm

Este blogue abriu na tarde do dia 25 de Dezembro de 2009.

Desde então e até agora,

– foram feitas 1.490 inserções
– foram feitas 1.578 categorias no índice
– o blogue recebeu 297,348 “hits”
– fizeram-se 2.690 comentários
– tem cerca de 600 “seguidores” regulares

Nada, mas nada, disto, teria sido possível, sem a inestimável carolice de todos os que enviaram, ou permitiram que eu fosse colocando, as fotografias e as informações aqui colocadas à disposição de quem as quiser ver.

Agradeço o interesse partilhado neste assunto.

O tema deste blogue é todo o desporto relacionado com Moçambique ao longo das décadas. Muito mais falta fazer, quer no que concerne o desporto antes, quer depois da Independência. Para tal, conto com o renovado apoio dos desportistas e de todos os interessados no tópico, enviando fotografias e informações para o email bcaluanda@gmail.com .

Não só constitui um registo aberto do que foi feito e por quem, como poderá ajudar no estabelecimento de referências para gerações futuras.

Hoje começa o 3º ano.

Dezembro 23, 2011

BOAS FESTAS, BY MALANGATANA

Filed under: Comentário, OUTROS — ABM @ 1:06 pm

Aos que comigo partilharam o 2º ano deste pequeno blogue, e às suas Famílias, desejo Boas Festas.

Dezembro 20, 2011

CAIXA DE FÓSFOROS DO GRUPO DESPORTIVO DOS FERROVÁRIOS DE MOÇAMBIQUE, 1924

 

 

Dezembro 4, 2011

UMA NOTA DE ABM SOBRE O RACISMO NO DESPORTO MOÇAMBICANO NO TEMPO COLONIAL

Copio para aqui, com alterações menores, um comentário que fiz em resposta ao comentário do nosso amigo da caneta René Boezaard (holandês, não conheceu Moçambique antes da Independência mas que conhece muito bem a realidade desportiva moçambicana recente) de que cada um parecia ter a sua verdade na questão de haver racismo em relação ao Eusébio no Sporting Clube de Lourenço Marques por ele (Eusébio) ser preto num clube de brancos (pois essa é a questão em análise, não o racismo em geral):

Não sei René. As coisas eram como eram no tempo colonial e o facto é que tipicamente as poucas cidades moçambicanas eram esmagadoramente habitadas por brancos. Logo, a maioria dos clubes situavam-se nas cidades, enquanto que as perifierias eram esmagadoramente habitadas pela população de raça negra.

Em termos de sócios, os clubes reflectiam essa realidade (falo dos anos 60 e 70 – nasci em 1960) mas NÃO (e aí concordo com o Sr. Braga Borges) em termos de atletas e muito menos de atletas de raça negra de talento no futebol, que na minha opinião, podiam ir para onde bem quisessem. Sim, os atletas negros (as suas famílias) tipicamente eram muito mais pobres pelas razões sócio-económicas conhecidas. Mas para teres ideia, eu, que sou branquinho da Silva e que sempre vivi na Polana, nadava no Desportivo, e sempre só tive um fato de banho. A minha roupa tinha duas mudas, um par de sapatilhas e um de sapatos.

A ideia de que os brancos viviam em Moçambique num mar de luxúria e os negros num mar de miséria é extremamente relativa e deve ser contextualizada, o que, por razões ideológicas e de perspectiva, tende a ser descurado. A maior parte dos brancos que iam viver para Moçambique iam com uma mão à frente e outra atrás e a riqueza que acumulavam era acumulada através do trabalho. Até quase aos anos 1970 não havia uma universidade em Moçambique – nem para brancos nem para pretos.

Adicionalmente, tirando o futebol, a maior parte dos desportos praticados eram praticados por brancos, por razões mais culturais dos brancos de Moçambique que outra qualquer. Em Moçambique praticava-se muito mais desporto e fazia muito mais parte da cultura local e da rotina das pessoas que em Portugal, mesmo ainda hoje. A população negra de Moçambique nem por isso praticava desporto, apesar de nos anos 60 a situação estar a mudar muito rapidamente. Por exemplo, no Distrito de Lourenço Marques em finais dos anos 60 o desporto já era uma parte importante do currículo escolar e estava dotada com infra-estruturas desportivas, o que em Portugal não acontecia.

Tendo dito isto, creio que, claro que, na estrutura social e de poder os negros moçambicanos não tinham quase nenhum voto na matéria. Eram cidadãos de 2ª e 3ª classe e frequentemente desrespeitados e abusados. O racismo era endémico e inerente em relação a tudo o que se fazia. Eu creio que isso se estava a alterar e alteraria mais até ao final dos anos 70, tivesse o arranjinho colonial perdurado mais uns tempos até a uma independência que não havia dúvida havia de acontecer e teria de acontecer. Mas tudo acabou com um enorme “bang” em 1974, sob a égide dos senhores Comité Central da Frelimo, que tinham ideias peregrinas sobre o que fazer.

Voltando aos clubes, lembro-me de, por exemplo, no princípio dos anos 70, o Desportivo, o clube onde eu cresci, ter feito esforços para recrutar mais sócios, não descurando os sócios de todas as proveniências raciais e sócio-económicas, que era algo que especificamente me lembro. Se não me engano as quotas nessa altura eram uns 100 escudos por ano, o que era praticamente de borla.

Não sei como era no Sporting em termos de sócios. Mas imagino que havia clubes (Clube de Pesca, Clube Marítimo, Clube Militar, Clube de Golfe da Polana, Associação dos Antigos Estudantes de Coimbra, Grémio) não houvesse muitos sócios negros. Mesmo para os padrões económicos mais elevados dos brancos, esses eram clubes caros e de elite. Mas esses clubes especializavam-se em poucos desportos caros e tinham um cariz social muito mais acentuado que os restantes.

Mas mesmo aí duvido que o critério de acesso fosse o da cor de pele. Acho que era mais a côr do dinheiro e as afinidades dos sócios. Num contexto de uma sociedade racialmente empolada, em que como, uma vez referiu o meu caro Dr. Mário Machungo, no princípio dos anos 70, um negro que quisesse alugar um apartamento na Polana…simplesmente não acontecia.

Ou, como uma vez me relatou serenamente o Sr. Eurico Perdigão, que me treinou no Desportivo, quando uma vez levou o seu mainato (negro) ao Hospital Central Miguel Bombarda às urgências uma noite já não me lembro bem porquê, ele quase que teve que dar um murro em quem o atendeu pois queriam chutar o jovem nem sei bem para onde porque ele era preto (para que conste, ele foi atendido e tratado ali, mas o Sr. Perdigão referiu ter a certeza de que se ele – um branco – não tivesse ido com ele ao hospital, e insistido, isso nunca teria acontecido.

E esta é a “minha” modesta verdade.”

Quanto à natação, que ambos conhecemos, e que pratiquei no Desportivo até 1975, quando fui estudar para Coimbra, sim, quase não havia nenhum nadador negro em LM nos anos 60 e 70 – mas isso era necessariamente “racismo”? explica lá isso. Afinal, o que é “racismo”? ainda hoje se alguém for a Maputo, a natação é um desporto urbano e de elite. E no tempo colonial a elite era esmagadoramente branca.

Para além de que, por razões que nunca estudei, em geral e em todo o mundo as pessoas de raça negra, que limpam o sebo a tudo e todos em atletismo, basquet e muitos outros desportos, são notoriamente omissos dos livros de recordes em natação. Mas eu acho que é uma questão de tempo e de oportunidade e eles e elas vão aparecer.

Como acima refiro, os padrões de prática desportiva em Moçambique reflectiam os padrões sócio-económicos que sim, reflectiam uma estrutura inerentemente racista. Mas não por si só e em absoluto. No resto de Moçambique hoje em dia ainda não se pratica tanto a natação, em boa parte simplesmente porque as piscinas que há são as que se fizeram há 50-60 anos, estão num estado duvidável e por maioria de razão continuam situadas no meio das cidades.

Creio que isso acontece em parte também porque é imensamente mais barato jogar à bola ou correr do que jogar ténis, correr carros, nadar ou jogar golfe.

No caso acima abordado, estamos ainda por cima a falar de descriminação contra o Eusébio (entrevista à Ùnica, Novembro de 2011), um expoente de talento que marcou o mundo e cujo valor já em 1958 quem estava nos meandros do futebol em Lourenço Marques reconhecia. A ideia de que ele terá sido maltratado ou menosprezado por ser preto (saliento que ele é mulato, o pai dele era branco de Angola e morreu em Moçambique quando ele era miúdo), ainda por cima no futebol, cujas putativas barreiras raciais já haviam sido brilhantemente escancaradas por muitos outros antes dele, parece-me ser um pouco peregrina. Que havia (e há, não te enganes) racismo nem é tanto a questão. Afinal, quase que aposto que em 1959 o Sporting de Lourenço Marques não devia ter um sócio preto. Mas o Eusébio ter sido prejudicado por isso?

Eu duvido.

Mas ele lá sabe.

ALEXANDRE FRANCO E O RACISMO NO DESPORTO EM MOÇAMBIQUE NO TEMPO COLONIAL

Alexandre Franco, um dos alicerces do basquet em Moçambique pré-Independência.

As declarações de Eusébio na entrevista concedida à revista Única iniciaram algum debate em torno da questão do racismo em Moçambique e no desporto de Moçambique antes da Independência. De alguma forma, tento recolher esses testemunhos, que poderão ser do interesse dos exmos. Leitores e para futura referência.

Em baixo, na primeira pessoa, o comentário de Alexandre Franco, um dos grandes do desporto moçambicano pré-independência, na modalidade de basquet.

Alexandre Franco hoje reside na grande cidade de Toronto, no Canadá, onde gere o Millennium-Post, uma publicação em língua portuguesa.

Mas nunca esqueceu Moçambique, tendo estado em Maputo recentemente de visita.

O seu comentário:

Conheço bem o Alberto Rodrigues e sei que ele também me conhece. Respeito as suas palavras e a verdade é que ele é um bom bocado mais velho do que eu. Diria mesmo que cerca de 10 anos.

Contudo, tudo quanto ele diz, e eu nasci em Moçambique e sou de raça branca, nem no Desportivo, nem no Sporting, nem no “seu” (do Alberto) Ferroviário, pois ele sempre foi mais conhecido como jogador de basquetebol do Ferroviário e de futebol, do Indo-Português, do que como treinador, que também foi, do Desportivo e do Malhangalene, condiz com a minha vivência, desde os meus cinco anos de idade, primeiro no Ferroviário, nos tempos do Lenine, do Luís Pina, do Adão “Linda”, do Desportivo do Frederico Morais, do Becas, do Carlos Alemão do Chico Martins, do Sporting do Octávio Bagueiro, do Branquinho, do Bebé, do Hélder Silva e com estes nomes ele bem sabe que estou a referir-me aos meus tempos de miúdo, ou seja dos meus cinco anos. Mas vivi em Moçambique até aos meus 31 anos altura em que saí como treinador da equipa principal de basquetebol do Sporting de Lourenço Marques e adjunto do Alberto Correia Mendes na Seleção Nacional de Moçambique que disputou os Jogos da Independência de Moçambique, para já não falar no Mário, no Nelson, no Vítor Morgado, no Sérgio Carvalho, no Luís Almeida, no Simango, sem esquecer os putos que levei à primeira categoria, casos do Artur Meirim, do Manuel Santiago, do Hélder Silva (filho), do Mário Martins, do Marques, do Mário Lopes e de tantos outros, numa variedade enorme de raças, desde os 5 até aos 31 anos de idade… nunca, mas mesmo nunca, deixámos de privar com pessoas de todas as cores e de todos os credos. O Alberto, indo-português, poderá ter passado por uma ou outra situação menos agradável, mas não julgo que isso lhe dê o direito de sair em defesa de uma série de asneiras que o Eusébio está farto de dizer, rejeitando reconhecer tudo quanto por ele foi feito. O que ele ficou a dever ao Vigorosa (que também não era branco), ao Sr. José Mateus, que era branco (e que tantas notas encarnadas – na altura eram notas de cem escudos, que metia no bolso do Eusébio – eu vi com os meus próprios olhos – por cada golo que ele marcava – a não ser que era este tipo de racismo que o Eusébio se referia, o de ser um branco a dar dinheiro a um preto?!), ao Fernando Costa, que também era branco e até alegando que o Sr. Elísio Pereira se fazia passar por branco, o que eu, que convivi com ele diariamente no Campo João da Silva Pereira, nunca percebi, porque a cor da sua pele era o que menos nos incomodava. Um puto de raça negra que nem se aproximava de nós no Continental, mas que era convidado a sentar-se connosco para comer uma torrada e beber um café com leite, que o 21 (ainda há muito gente que se lembra do 21, que era o nosso habitual empregado de mesa). Era este o racismo a que o Eusébio se referiu???

Ainda recentemente estive em Moçambique e fui maravilhosamente recebido por gente dos meus tempos de todas as cores e credos, tal como já acontecia naqueles que foram os melhores anos da minha vida, entre gentes de todas as cores e feitios.

Continuo a gritar a renegação do Eusébio ao Sporting Clube de Lourenço Marques por tudo e mais alguma coisa e até sugiro que leiam a edição do meu jornal http://www.postmilenio.com do próximo dia 16 de Dezembro, edição especial de Natal, onde vou colocar as “inverdades” de um tal “Pantera Negra” bem a claro.

E atenção, já lhe disse isto, pessoalmente. Ele (o Eusébio) aprendeu a odiar o Sporting. Até aí, tudo bem. Há muitos benfiquistas que lêem pela mesma cartilha. Agora dizer as asneiras que diz quando afirma que nem se lembra de ter jogado com a camisola do Sporting (o que me disse a mim) e de que o Sporting era um clube racista… Por Favor!!!

Aqui em Toronto, onde resido há muitos anos, encontrei um dia o Eusébio com o “seu” Presidente Luis Filipe Vieira. Ele (o Eusébio) chamou-me e disse-me que queria apresentar-me o “seu” Presidente. Muito bem. “O meu nome é Alexandre Franco, tenho muito prazer”, o que foi seguido das seguintes palavras; “Ah, você é o amigo do Eusébio que é do Sporting!”. E eu respondi, “Do mesmo Sporting que foi o Eusébio, o Sporting Clube de Lourenço Marques!” Meu Deus, o que fui dizer. “O quê? Já nem me lembro disso!” Que pena, que pena… e eu que a partir daí disse para comigo mesmo: “Eis as palavras tristes do meu Ex-amigo Eusébio da Mafalala.”

Não posso omitir aqui os nomes de alguns dos meus melhores jogadores, como também foram os casos de Luís Dionísio, do Eustácio Dias, João Donato, do Tam Ling, e na Seleção de Moçambique, do Sing, do Costa, do Araújo, do João Domingues, e ainda do Vítor Agostinho, do Orlando Noronha, do Carlos Rocha, do Mahlon Sanders, do João Silva, do João Ferreira, que foram meus jogadores no Benfica de Lourenço Marques (secção de Basquetebol que foi formada por mim, a pedido dos meus amigos Luís Branco – da Wagons Lits e Francisco Machado; e ainda de nomes como os do Beto Correia Mendes, Carlos Neves, Luis Neves, José Joia e Carlos Joia, Rendas Pereira, e tantos outros que de momento não me lembro.

FRANCISCO VELASCO COMENTA SOBRE O RACISMO NO DESPORTO EM MOÇAMBIQUE NO TEMPO COLONIAL

O superlativo Francisco Velasco.

Em baixo, o comentário do grande campeão de hóquei Francisco Velasco, transcrito de outro local neste blogue (o comentário de Alberto Dias, em relação a uma entrevista de Eusébio à Revista Única no início de Novembro de 2011 e à reacção de Braga Borges).

 

Parte do que está aqui dito [comentário de Alberto Dias, ver AQUI]  possui laivos de verdade, verificando-se contudo uma grande confusão no respeitante a datas.

Antes de mais um abraço ao Alberto Rodrigues, que treinou as minhas primas Abrilete e Maria da Luz e talvez tenha jogado com o meu primo Leonel. Cruzávamos-nos no Clube e envio-te as minhas saudações desportivas.

Colonialismo e Racismo são as faces da mesma moeda. Ambos são dinâmicos, isto é, transformam-se com o decorrer dos anos, diluindo-se ou tornando-se virulentos e basta uma década para verificarem modificações substanciais. Veja-se que hoje, uma grande potência mundial passou, no espaço de 10 anos, de uma nação de liberdades constitucionais adquiridas, para uma em que as mesmas já começaram a ser definitivamente ignoradas ou destruídas, mas esse é outro assunto…

Neste caso do Eusébio, temos de circunscrevermo-nos aos anos em causa: 1959, 1960 em que ele comprovadamente jogou em júniores nesses anos e em séniores em 1961. As fotos de Braga Borges demonstram isso e que não havia o tal apregoado “racismo”. Ponto final.

Reportas-te, Alberto, a 1951. Esses foram tempos diferentes e anteriores aos em causa, e se formos por aí, mais uma década atrás, vamos dar com filas de pretos, acorrentados, que eu via passar à frente da minha porta, quando acordava de manhã cedo para ir para a escola. Caminhavam para trabalho forçado. E se recuares uns tempos mais, vê-los-íamos a serem “caçados” para serem enviados e leiloados em praças espalhadas por certas nações esclavagistas de vários continentes.

Até 1954, o Clube Ferroviário possuía um elenco de hoquistas brancos, se descontarmos o companheiro Labistour. Dois anos depois, 1956, quando assumi o cargo de treinador do CFLM, integrei na equipa atletas não brancos, provenientes das Reservas e Júniores. Tanto quanto pude testemunhar, o elitismo e também o racismo esfumaram-se por esta altura, com a naturalidade do passar de anos de uma sociedade colonialista a braços com a sua própria dinâmica transformadora. Em 1958 não se podia falar de racismo nos clubes. Presumo eu que as condições económicas e o estado psicológico dos pretos, continuamente minimizados e inferiorizados, forçavam-nos à não prática desportiva nos clubes da cidade, com excepção da bola que era praticado por toda a cidade em espaços devolutos que iam capinando para conseguirem uma espécie de campos de futebol.

Quanto ao serviço militar, quero recordar aqui que a ordem colonial estipulava que só brancos e pretos é que prestariam serviço nas forças armadas. Estava excluídos todos os outros. Sucede porém, Alberto, que dois anos antes de teres sido dispensado por excesso de contingente, também eu o fui apesar de ter sido aprovado na inspecção médica. Como me conheciam do desporto só me tiraram o peso e a altura e carimbaram imediatamente a minha integração. FIZERAM BORRADA pois isto tudo sucede quando os “satiaghras” criavam problemas em Dadra e Nagar Aveli, e o Antoninho, o tal dos plainites, deu ordem às estruturas militares para incorporarem todos, mestiços, indianos e chineses e estes todos seriam aquartelados à parte, e não iam para Boane.

O problema deles, em relação a mim, é que, sendo branco, eu iria ficar num aquartelamento de não brancos e isso fez-lhe cócegas na cabecinha e eliminaram-me por excesso de contingente, não se apercebendo que quando eu fiz fila para o exame médico, todos atrás e à frente eram meus companheiros de escola e de folguedos desde tenra idade, onde eu me sentia bem pois nunca usei óculos de cor. Reagi, e o General Raul Martinho, comandante militar, teve de me enfrentar, mas esta é uma história que contarei noutro local.

Não sei porque tu, caro Alberto, foste dispensado dois anos depois de mim, o teu caso talvez fosse diferente, apesar de sermos conterrâneos, natos no mesmo Estado da índia. Ou se calhar seria mesmo excesso de contingente… Olha que o Amadeu Bouçós e o Alberto Moreira não escaparam, tiveram férias em Boane, donde se ausentavam frequentemente, largando armas e bagagens, para ir representar a Selecção Nacional… Acho que nem sequer aprenderam a dar tiros! (risos).

Um grande abraço, amigo Alberto Rodrigues, felicitando-te pela tua carreira dedicada ao Basquetebol.

Posto isto, reitero que «o pontapé do Eusébio falhou o alvo, o que era raro, e bola lá se perdeu por cima da bancada, para fora do Estádio em direcção ao esquecimento onde deverá permanecer», como já tive ocasião de escrever [aqui] no blogue The Delagoa Bay Company.

Dezembro 3, 2011

O GRANDE ALBERTO DIAS FALA SOBRE O RACISMO NO DESPORTO EM MOÇAMBIQUE NO SEU TEMPO

Alberto Rodrigues, 2º da esquerda com a enorme estrela na t-shirt, com a equipa de basquet séniores do Desportivo LM, que treinou na época 1974-1975.

Muito grato ao Rogério Carreira, que enviou a nota com o comentário de Alberto Dias e ainda mais as fotos, rapinadas do seu grande sítio Roger Tutinegra.

A propósito ainda da entrevista que Eusébio deu à revista Única, e que já mereceu um comentário de Braga Borges (ambos reproduzidos na totalidade nesta casa), em baixo o precioso testemunho de Alberto Dias, de quem me lembro quando treinador no Desportivo.

Para encaixar” aqui, fiz uma edição menor, sem tocar no que de substantivo é dito:

Na segunda-feira passada ao […] ouvir o Dr. Dias Ferreira afirmar que “os racistas são aqueles que dizem que os outros é que são racista” é uma forma pedante de tornar as vítimas em réus, manifestou uma completa ignorância da vivência nas ex-colónias portuguesas.

Tenho 75 anos de idade, poucos anos mais que o Eusébio.

Joguei contra ele nos primeiros jogos que fez pelo Sporting Clube de L.M. em seniores.

Eu jogava modestamente o futebol no também modesto Grupo Desportivo Indo-Português, pois sou de ascendência do antigo Estado da Índia, onde também inicialmente havia um certo separatismo que com o tempo se foi esfumando.

Em 1951, o Indo-Português acabou com a secção de basquetebol, e o clube para onde eu gostaria de ter ido jogar seria para o Sporting de L.M. mas era como Eusébio disse, o Sporting nessa época era efectivamente um clube que só aceitava brancos nas suas hostes, havia uma excepção que era um misto que passava por branco de nome Elísio Pereira. Era efectivamente conhecido também pelo clube dos polícias e só podia ir para a polícia quem tinha feito o serviço militar – que estava vedado aos não brancos, salvo alguns que passavam como tal. Eu fui à inspecção militar e fui dispensado por excesso de contingente, claro que tudo isto antes de ter começado a guerra colonial.

Os da minha geração lembram-se bem que era efectivamente assim.

Com o aparecimento do Eusébio e outros as coisas começaram a modificar-se bastante e as mentalidades a alterar-se um bocado.

A título de curiosidade, informo também que havia um outro clube que tinha o mesmo procedimento que era o Malhangalene, clube do bairro de mesmo nome que era administrado por indivíduos idos de Portugal, claro que depois modificaram os procedimentos.

O grande rival do Sporting era o Grupo Desportivo de L.M. que foi filial do Benfica, e os curiosos que vejam as fotos antigas destes dois clubes e onde militavam os não brancos numa amálgama de cores.

Estou a escrever esta mensagem, porque me disseram que um familiar do Dr. Mário Soares, parece que de nome Barroso, que decerto também não conheceu as realidade das ex-colónias, que disse num jornal que não é verdade o que o Eusébio disse.

Atenciosamente,

Alberto Carmo Rodrigues

(fim)

O cartão de Sócio de Mérito da Associação Distrital de basquet de Lourenço Marques de Alberto Rodrigues, 1967.

 

Alberto Rodrigues à direita. Quem souber quem é o senhor à esquerda, por favor mande uma nota.

 

Alberto Rodrigues com...

 

A equipa de basquet séniores do Sporting Clube de Lourenço Marques, época 1957-1958. A quem souber os nomes, por favor envie uma nota. De pé, da esquerda: P1, P2, P3, P4, P5 e P6. De joelhos: J1, Alberto Dias, J2 e J3.

 

Novembro 28, 2011

1º ALMOÇO DOS NADADORES DA ASSOCIAÇÃO DOS VELHOS COLONOS DE MOÇAMBIQUE, NOV. 2011

Muito grato à Célia Quartin, que encaminhou as fotografias do repasto e convívio em baixo, que retratam momentos do 1º Almoço dos Nadadores da Associação dos Velhos Colonos de Moçambique, grande equipa que produziu muitos campeões de Moçambique e de Portugal.

O encontro ocorreu no Restaurante Salamandra em Cascais, num dia lindo, com um sol esplendoroso e uma vista fantástica para a praia e para o mar.

Em baixo, a Célia usou os nomes de solteira das meninas para melhor identificação.  Os “penetras” do Desportivo e Sporting estavam presentes porque tiveram o bom gosto de escolher caras-metade dos Velhos Colonos…..

Ana Gomes (mulher do Quim Gomes), Betty Campo Vieira (mulher do Carlos José Murinello), Vitor Cerqueira (marido da Melita Sampaio) e Isabel Neto.

Marcelo Sá, Sertório Silveira, Viriato Silveira, Tó Delgado, Nelson Serra, Américo Azevedo, Eduardo Horta, Carlos José Murinello.

Manuela Alvarez (mulher do Zeca), Guida Abelha, Zeca Alvarez, Passos de Sousa, em pé Sr. Alvarez e Américo Azevedo.

Zeca Almeida (tá no papo), Viriato Silveira, Belinha Lopes, Melita Sampaio. Eduardo Horta, Sr. Alvarez, Zeca Alvarez, Manuel Jordão.

Anita Abelha, Guida Abelha e Lucília Capelo.

Dalila Azevedo, Lucilia e Amélia Sampaio (Melita).

Melita Sampaio, Lucilia Capelo e Isabel Neto.

Vista Geral do repasto (que para variar foi uma carilada).

Os grandes Manuel Mateus, Marcelo Sá, Nelson Serra.

Manuela Alvarez, Guida Abelha, Sr. Alvarez, Passos Sousa e Zeca Alvarez.

Betty Campos Vieira, Marcelo Sá, Guida Abelha e José Simões (esgrimista).

Vista do almoço, que aconteceu em Cascais.

Tó Delgado, Manuel Mateus, Marcelo Sá e Nelson Serra.

Anita Abelha, Sr. Alvarez e Odete Lopes.

O fato de treino da Belinha Lopes (tal como a Célia a conheceu), uma autêntica relíquia!

Guida Abelha e Melita Sampaio.

Encontro de ex-Sportiguistas do Basquete laurentino - Nelson Serra, Manuel Mateus, Marcelo Sá e Eduardo Horta. A Célia explicou que foram benvindos e que tecnicamente não eram penetras.

Guida Abelha, Nelson Serra e Melita Sampaio.

Os basquetistas do Sporting de LM - Nelson Serra, Manuel Mateus, Marcelo Sá e Eduardo Horta (o Marcelo também dedicou-se ao futebol).

Aspecto do almoço com vista para o mar.

As meninas - Ana Maria Mallen , Guida Abelha, Luisa Ochoa, Anita Abelha, Melita Sampaio, Dalila Azevedo, Isabel Neto e Belinha Lopes (a Célia não ficou na foto porque serviu de fotógrafa e nenhum dos rapazes se voluntarizou...).

Roberto Matos, Tó Delgado e Carlos Zé Murinello.

Anita Abelha, Cristina Horta (mulher do Eduardo) e Luisa Ochoa.

Guida Abelha, Anita Abelha e Zeca Alvarez.

Novembro 23, 2011

MAIS FOTOS DO ALMOÇO ANUAL DOS NADADORES DE MOÇAMBIQUE, NOVEMBRO DE 2011

A reportagem do memorável almoço anual dos nadadores e treinadores de Moçambique, realizado no passado sábado e em que se homenageou a Dulce Gouveia. Desta vez feita tiradas pelo Jaime Santos e a Helena Chaves.

Muito obrigado.

Dada a quantidade, utilizo um novo esquema de apresentação das fotos que esta geringonça disponibilizou agora. E que está em fase de testes.

As fotos enviadas pelo Jaime Santos (as do Jaime contêm a referência “Olympus”) e pela Helena:

….e que também podem ser vistas assim:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Novembro 22, 2011

ALMOÇO ANUAL DOS ANTIGOS SÓCIOS E ATLETAS DO GRUPO DESPORTIVO LOURENÇO MARQUES, OUTUBRO DE 2011

Filed under: 2010 anos, Convívio Grupo Despotivo 16.10.2011 — ABM @ 1:52 pm

Muito Grato ao Carlos Oliveira pela disponibilização das fotografias que se seguem.

Para ver qualquer das fotografias em tamanho maior, prima na imagem duas vezes com o rato do seu computador e divirta-se.

João Ferreira e Didi.

Lamye sua mulher Didi.

Uma fotografia clássica do Desportivo: o José Arruda, figura das mais carismáticas do Desportivo, com a D. Rute Abreu, matriarca da família Abreu, que produziu os irmãos Abreu - José Manuel, Rui, Vasco e a campeníssima de natação Suzana Abreu.

José Pedro Flores Cardoso, um dos grandes do hóquei em patins do Desportivo.

Manuela Botelho de Melo e José Marques.

José Naldo (pai da Vilma e do Mica, que também nadaram do Ferroviário de Lourenço Marques) e Carlos Oliveira.

Crsitina Meireles, João Meireles e Anabela Gouveia.

José Lopes e a sua mulher (falta o nome), ao fundo vêem-se o Mário Machado, Casquinha e Fernando Alves.

Carlos Alemão e Betty Murinello.

Mário Machado (penetra do basquet do Ferroviário) e Carlos Oliveira.

Borrego e Mário Machado.

Borrego, Nuno Narcy e Mário Machado.

José Manuel Abreu e Carlos Oliveira.

Alice Aleixo e Nuno Narcy. Ao fundo, Paulo de Carvalho.

P1, Lamy, P2, Pinduca, João Ferreira e Fernando Alves.

De pé, da esquerda: P1, Fernando Alves, João Ferreira, P2, Borrgeo, Nuno Narcy, P3, Lamy, José Lopes, Márito, P4, P5 e Zé Rodrigues. De joelhos : White, Pinduca, Jojó e Carlos Alemão.

De pé, da esquerda: Carlos Alemão, White, José Rodrigues, Borrego, Nuno Narcy, João Ferreira, Mário Albuquerque (penetra do Sporting) João Silva, P1, P3 e P3. De joelhos: Jojó.

P1 (ao telefone), P2, P3, Mário Albuquerque e Zé Reis (marido da Regina Veloso).

Carlos Oliveira, campeão nacional de natação.

Carlos Oliveira.

Paulo de Carvalho e Nuno Narcy.

Manuela Botelho de Melo, Dona Rute Abreu, P1, José Manuel Abreu e Fernando Santos.

xxx, Nuno Narcy, Carlos Oliveira e José Pedro Flores Cardoso.

ANTIGOS NADADORES E TREINADORES DE MOÇAMBIQUE E FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO HOMENAGEIAM DULCE GOUVEIA, 19 DE OUTUBRO DE 2011

Muito grato ao Carlos Oliveira, que disponibilizou as fotografias que se encontram em baixo.

A Dulce Gouveia ficou de me ajudar com as legendas mas decidiu ir ao banco e deixou-me pendurado. Completarei as legendas mas tarde.

Para ver as fotos em baixo com o tamanho máximo, prima na imagem que quiser ver duas vezes com o rato do seu computador.

P1, Olímpia Ótão (Pereira), Olga Camacho. Mãe Camacho, Carlos Oliveira e Jaime Santos.

P1, Olímpia Ótão (pereira), Olga Camacho, Mãe Camacho e Luis Camacho.

Anabela Gouveia, Regina Veloso, Manuela Botelho de Melo, Clotilde Botelho de Melo, José Luis Ribeiro, Victor Cerqueira, Júlio Ribeiro, Carlos Oliveira (atrás), Guiomar (mulher de J. Ribeiro), Fernanda Campos e Mélita Sampaio.

Regina Veloso, Manuela Botelho de Melo, Clotilde Botelho de Melo, José Luis Ribeiro, Victor Cerqueira, Júlio Ribeiro, Carlos Oliveira, Guiomar (mulher de J. Ribeiro), Fernanda Campos e Mélita Sampaio.

Regina Veloso, Manuela Botelho de Melo, Clotilde Botelho de Melo, José Luis Ribeiro, Victor Cerqueira, Júlio Ribeiro, Carlos Oliveira (atrás), Guiomar (mulher de J. Ribeiro), Fernanda Campos e Mélita Sampaio.

Ágata Gouveia, filha de Anabela Gouveia. Atrás, Ezequiel Gameiro das Neves.

Olímpia Ótão (Pereira), Dulce Gouveia, Clotilde Botelho de Melo e Graça Maia.

Dulce Gouveia discursa enquanto Eduardo Horta e Leonel Gomes observam.

Leonel Gomes, Eurico Perdigão e Dulce Gouveia. Do outro lado da Dulce, Manuel da Mata e José Sacadura.

Mais uma imagem de Dulce Gouveia a falar.

Eurico Perdigão, Dulce Gouveia, José Sacadura (que deixou cair a caneta no chão).

Dulce Gouveia.

José Sacadura descreve o dia em que teve que se impor aos gabirús que perseguiam a Dulce que estava a usar um biquini cor de rosa em que se discutia se havia pano a menos ou carne a mais.

José Sacadura, explicando agora quantos Garibaldis a Dulce conseguia comer após um treino no Tamar em Algés.

Uma placa, oferecida especialmente para a ocasião pela Federação Portuguesa de Natação, muito aptamente dirigida pelo Prof. Paulo Frishknecht, um dos grandes nadadores de Portugal, que conhece bem Dulce Gouveia e o seu passado.

Em representação do Presidente da Federação Portuguesa de Natação, Eurico Perdigão entrega uma placa homenageando Dulce Gouveia.

Na mesa de honra, Eurico Perdigão explica quantos croquetes a Dulce comia a seguir ao jantar, antes das provas.

Eurico Perdigão, que fez uma carreira no Desportivo e em seguida no Sport Algés e Dafundo (onde aliás se formou) faz uso da palavra.

Dona Rute Abreu, mãe de Suzana, Vasco, Rui e José Manuel Abreu, com Eurico Perdigão.

Célia Quartin, Cristina Horta (mulher de Eduardo Horta) e Isabel Menezes.

Melita Sampaio, Eduardo Horta e Fernanda Campos.

Paula Botelho de Melo, que se deslocou de Los Angeles para estar neste almoço de homenagem a Dulce Gouveia, e Carlos Oliveira.

Na mesa de honra, da esquerda: Fernanda Campos, Eduardo Horta, Leonel Gomes, Eurico Perdigão, Dulce Gouveia e José Sacadura.

Mais uma imagem da mesa de honra. Da esquerda: Leonel Gomes, Eurico Perdigão, Dulce Gouveia, José Sacadura, Ezequiel Gameiro das Neves e Manuel Mata.

Leonel Gomes e Fernanda Campos.

A gang do Ferroviário posa para uma foto com o Prof. José Sacadura. De pé: Manuel da Mata, Dona Tina (mãe do Fernando Pinto), Gabriela Tavares, Luis Camacho, José Sacadura, Olga Camacho. Por baixo Ana Maria Guerra, Júlia Sobral, Fernando Pinto e D. Mariazinha.

José Sacadura e Ezequiel Gameiro das Neves.

Fernanda Campos e Eduardo Horta.

Melita Sampaio, Victor Cerqueira, Pedro Fonseca e Guiomar.

Clotilde Botelho de Melo e Paula Botelho de Melo.

A grandes nadadoras Regina Veloso e Fernanda Campos, de entre as grandes pioneiras da natação de Moçambique no panorama português.

Regina Veloso e Fernanda Campos.

Manuel da Mata, um dos grandes treinadores de Moçambique, de depois fez carreira no Sport Algés e Dafundo e Ezequiel Gameiro das Neves, nadador e dirigente durante anos na Federação Portuguesa de Natação.

Nelson Silva, que fez "natacinha" no Desportivo mas que faz parte da mobília da casa, e Pedro Fonseca.

O Dr. Júlio Ribeiro, nadador do Desportivo e campeão, Ezequiel Gameiro das Neves, Anabela Gouveia e a sua filha Ágata. Atrás, Rui Braga de Almeida.

Ezequiel Gameiro das Neves, Anabela Gouveia, Ágata Gouveia e Júlio Ribeiro.

Júlio Ribeiro, Américo Azevedo (irmão da Janete, Pilar, Cãndido e Dalila Azevedo) e Graça Maia.

D. Celeste Gouveia, matriarca da família Gouveia, Dulce Gouveia, com a Maria João Gouveia e mais abaixo a sobrinha Ágata.

Manuel da Mata e Ana Maria Guerra, ex-brucista do Ferroviário.

Vítor Mata (filho do Sr. Manuel da Mata) Carlos Oliveira, Américo Azevedo e Victor Cerqueira.

Victor Mata (filho do Sr. Manuel da Mata) Carlos Oliveira, Américo Azevedo e Victor Cerqueira.

Américo Azevedo, Dulce Gouveia e seu pai, o Eng. Tomás Gouveia, um dos pilares do velho Desportivo.

Américo Azevedo e Eng. Tomás Gouveia. Ao fundo podem-se ver Eduardo Horta, Cristina Horta e Paula Botelho de Melo.

Mané Barreto Lopes com a sua filha e as suas netas e ...(não sei quem é).

Helena Carvalho (Chaves), Isabel Menezes (Bandeira) e Célia Quartin.

Fernando Botelho de Melo, Lucília Vieira, José Manuel Abreu.

Eurico Perdigão, José Manuel Abreu, Rute Abreu e Leonel Gomes.

Regina Veloso, José Sacadura, Ezequiel Gameiro das Neves (Veca).

Regina Veloso, Anabela Gouveia, Clotilde Botelho de Melo, Paula Botelho de Melo, José Luis Ribeiro, Victor Cerqueira, Manuel Botelho de Melo, Júlio Ribeiro e sua mulher Guiomar, Melita Sampaio, Leonel Gomes e à frente Graça Maia.

Novembro 11, 2011

A FAMOSA CLAQUE DA BEIRA, ANOS 1960

Filed under: 1960 anos, A claque da Beira, OUTROS — ABM @ 2:03 pm

Fotografia do Tonito Almeida, restaurada por mim.

 

A famosa claque da Beira, aqui a receber com requintes uma equipa de Lourenço marques durante um jogo de basquet a contar para o Provincial de basquet, no campo do Ferroviário da Beira, anos 1960.

Reencontro de Gerações do Desportivo de Maputo

Filed under: 2010 anos, Almoços e Encontros, DESPORTIVO LM/MAPUTO, OUTROS — ABM @ 9:00 am

 

O texto que se segue é um artigo publicado no Notícias, de Maputo no dia 8 de Novembro.

 

A sede do Desportivo vai vestir-se de preto-e-branco aos gomos, depois de amanhã, quinta-feira [10 de Novembro de 2011], para assinalar o reencontro da velha guarda do clube, em festa enquadrada na comemoração do 90º aniversário daquele que é um dos mais antigos e carismáticos clubes moçambicanos: o Grupo Desportivo de Maputo.
Dezenas de ex-dirigentes e ex-atletas, vão juntar-se num almoço a realizar-se junto à piscina infantil da colectividade, às 13:00 horas de 10 de Novembro, Dia da Cidade de Maputo, estando para o efeito abertas as inscrições.
Segundo os organizadores do evento, os ex-craques Amide e Frederico, a ocasião vai valer sobretudo pela oportunidade de velhos amigos trocarem efusivos abraços e revisitarem os momentos de glória que permitiram projectar o Desportivo para o patamar em que se encontra.
E quais as presenças de figuras “emblemáticas” que se espera?
Os organizadores querem juntar à mesma mesa, ex-dirigentes e ex-futebolistas, em horas de amena “cavaqueira”, figuras como Manuel Jorge, José Luís Cabaço, Manuel Braga, Galibo, Américo Mpfumo, Zaide Ali, Bique, Hary, Issufo, Gulamo Patel, Vipra, Gulamo Ali, Hussene, Natu, Amin, Damune, Zainadine, Eurico, Ahmed, Nuro, Miguel, Florêncio, Cabral, Calton, Urbano, Dentinho, Simões, Sitói, Mutualibo, Taju, Júlio, Ivo Garrido, Jamal, Pierson, Neimane, Lalá, Flin, Aurélio, Chababe, Ali Hassane, Abâmia, Matola, Abreu, Naiene, Dino, Ibrahimo, Magid, Neves Correia, Cândido Coelho, Martinho Fernandes, Tomaz, Melito, Faife, Jamal, Amadeu, Wiliam, Nando, Dique, Bernardo, Malagueta, Estêvão, Sebastão, Achirafo (Fito), Loforte, Manuel Muchana, Dias, Betinho Loforte e muitos outros.
Este vai ser o primeiro grande encontro da família do Desportivo. Nele se prevê a instituição da data para uma confraternização anual que inclua outros “condimentos”, como uma partida de futebol para os “madalas” e a troca de ideias que conduzam a uma participação mais efectiva, na vida de um clube que permanece e continuará sempre presente no coração de todos.

Novembro 10, 2011

ALMOÇO ANUAL DOS ANTIGOS NADADORES DE MOÇAMBIQUE É NO DIA 19 DE NOVEMBRO DE 2011, HOMENAGEIA DULCE GOUVEIA – LEMBRETE

Outubro 31, 2011

EVOCAÇÃO DA SOCIEDADE DE ESTUDOS DE MOÇAMBIQUE, PELO PROF. RUI BAPTISTA

Fachada da sede da Sociedade de Estudos de Moçambique, em Lourenço Marques.

(Texto da autoria do Sr. Prof. Rui Baptista)

“A história é uma mediação entre o passado e o presente num círculo hermenêutico” (Paul Ricoeur, 1913-2005).

Escrevo hoje sobre um livro, intitulado  “Livro de Ouro do Mundo Português – Moçambique” (s/d),  da autoria da jornalista Maria Helena Bramão, que mãos amigas fizeram chegar ao meu conhecimento e em que, a páginas tantas (pp. 22 e 23) , é evocada a Sociedade de Estudos de Moçambique, “ex libris” científico, literário e cultural de Moçambique, anterior  à criação dos respectivos Estudos Gerais Universitários (1962) e depois em futura e frutuosa parceria. A esta Sociedade (julgo que extinta depois de 1975) ligam-me recordações, quase diria umbilicais, por aí ter proferido duas conferências, (“Educação Físíca – Ciência ao Serviço da Saúde Pública” e “Os Pesos e Halteres, a Função Cardiopulmonar e o Doutor Cooper”) , respectivamente, nos anos de 1972 e 1973,  vindo nela  a ser eleito para os cargos de vice-presidente da Secção de Ciências e bibliotecário (1974) e  de presidente da Secção de Ciências e 1.º secretário (1975), tendo, assim,  entrado a Educação Física pela porta principal  nesta veneranda casa “das coisas do espírito”.

Escreveu nesse livro a referida jornalista um elucidativo texto, subtitulado “Sociedade de Estudos de Moçambique – uma instituição cultural pioneira”, que transcrevo abaixo na íntegra com o esclarecimento de se reportar, apenas, à vida da Sociedade de Estudos de Moçambique até meados da década de 60:

“A Sociedade de Estudos de Moçambique foi instituída em 6 de Setembro de 1930, data em que foram superiormente aprovados os seus Estatutos, publicados pela Portaria n.° 1185, daquela data.

Resultou de um movimento inspirado pelo Engenheiro de Minas, António Joaquim de Freitas, que veio a ser o seu Sócio Fundador n.° 1. Na Circular-Convite que dirigiu aos intelectuais de Moçambique, a propor a fundação da Sociedade, mencionava António Joaquim de Freitas, ser um dos objectivos «estabelecer um convívio intelectual necessário às pessoas que vivem pelo cérebro».

Os Estatutos aprovados definiram como objectivos da Sociedade de Estudos, contribuir para o estudo e valorização económica de Moçambique; e contribuir para o desenvolvimento intelectual, moral e físico dos seus habitantes em geral, e, em especial, dos seus associados.

A António Joaquim de Freitas juntaram-se 101 Sócios Fundadores. E depois, desde 1930, muitos outros, que com esforço, dedicação e inteligência têm vindo a realizar com persistência os objectivos da Sociedade.

Foi o primeiro Presidente da Direcção da Sociedade de Estudos o Coronel Eduardo Augusto da Azambuja Martins. Sucederam-lhe o Eng.° Joaquim Jardim Granger (1932-34); o Coronel João José Soares Zilhão (1935 e 1940-41); o Eng.° Mário José Ferreira Mendes (1936-38 e 1946-49); o Comte. José Cardoso (1939); o Eng.° António Joaquim Freitas (1942-45); o Dr. António Esquivei (1950-60); o Contra-Almirante João Moreira Rato (1961-62); e o Prof. Eng.° Manuel Gomes Guerreiro (1963). O actual Presidente é o Eng.° João Fernandes Delgado.

Foram nomeados Sócios Beneméritos, pelos relevantes serviços prestados à Sociedade de Estudos, o Contra-Almirante Manuel Maria Sarmento Rodrigues, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Câmara Municipal de Lourenço Marques.

A Sociedade de Estudos foi agraciada com o grau de Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada (1956), grau de Oficial da Ordem de Instrução Pública (1960), Medalha de Ouro de Serviços Distintos da cidade de Lourenço Marques (1960) e Palma de Ouro da Academia das Ciências de Lisboa (1960).

Dentro da acção desenvolvida desde 1930, a Sociedade de Estudos tem promovido a realização de estudos, cursos, lições, conferências, congressos, exposições e sessões de cinema.

Desde 1931 que se publica o «Boletim da Sociedade de Estudos de Moçambique», que é presentemente trimestral.

Tem editado outras publicações entre as quais se destaca «A Cartografia Antiga da África Central e a Travessia entre Angola e Moçambique, «1500-1860» da autoria do ilustre historiógrafo Comte. Avelino Teixeira da Mota, que a dedicou ao Contra-Almirante Sarmento Rodrigues e a ofereceu à Província de Moçambique. A edição foi custeada por subsídio especial concedido pelo Governo-Geral de Moçambique, tendo-se feito a versão inglesa.

As publicações da Sociedade de Estudos são permutadas com as de numerosas instituições nacionais e estrangeiras em todo o Mundo. Foi assim organizada progressivamente uma Biblioteca de carácter enciclopédico, que conta cerca de 25 000 volumes; e uma biblioteca juvenil, com perto de 1500 volumes, convenientemente escolhidos.

O actual Presidente é o Eng.° João Fernandes Delgado. A Sociedade de Estudos tem-se feito representar em diversos congressos e reuniões de carácter cultural, no país e no estrangeiro. Desde 1934 que participa nos congressos anuais da Associação Sul-Africana para o Progresso da Ciência, tendo colaborado na Organização dos Congressos de 1948 e de 1958, que se realizaram em Lourenço Marques.

Já nos Estatutos aprovados em 1930 se previa a necessidade de se conseguir ‘uma sede suficientemente ampla, cujos meios de trabalho e conforto irá sucessivamente aumentando, por forma a tornar a sua frequência cada vez mais agradável’.

Depois de grandes esforços, foi finalmente decidia a construção do novo Edifício-Sede em 1962, sendo Presidente da Direcção o Contra-Almirante João Moreira Rato, que desenvolveu valiosa acção para tornar viável a realização. Os encargos foram suportados por subsídio, concedidos pelo Governador-Geral de Moçambique, Contra-Almirante Sarmento Rodrigues, pela Fundação Calouste Gulbenkian, por reservas criadas, por quotização suplementar por parte dos sócios, e por um empréstimo a amortizar anualmente.

O edifício, segundo projecto do arquitecto Marcos Guedes e o Eng.° Carlos Pó, foi executado em 1963, sob a orientação da Direcção presidida pelo Prof. Eng.° Manuel Gomes Guerreiro, tendo sido inaugurado oficialmente em 21 de Abril de 1964, pelo Governador-Geral de Moçambique, Contra-Almirante Sarmento Rodrigues. Registam-se também as numerosas e várias ofertas recebidas de diversas entidades para o apetrechamento do novo Edifício-Sede.

Na sua estrutura actual, a Sociedade de Estudos compreende as seguintes secções: Artes e Humanidades; Ciências Exactas; Ciências Naturais; Ciências Sociais; Agro-Pecuária; Economia e Finanças; Engenharia e Arquitectura; Legislação e Jurisprudência; Medicina, Veterinária e Farmácia; Estudos Brasileiros; Estudos Franceses; Etnologia Africana; Feminina; e de Iniciação Cultural.

No relatório da Direcção, relativo a 1964, figura o seguinte resumo das sessões públicas realizadas naquele ano: 21 conferências; 39 conferências ou lições incluídas em cinco ciclos de conferências e cursos; 6 exposições diversas; 7 sessões de cinema; 18 sessões de cinema para jovens, com filmes educativos e recreativos.

A Sociedade de Estudos de Moçambique muito tem contribuído para o estudo e valorização da Província de Moçambique, assim como para o seu desenvolvimento moral e intelectual”.

Num país agora confinado às suas fronteiras europeias e, por vezes, de costas voltadas para um passado, mais ou menos, recente, entendo, em nome de uma necessária justiça e apego à memória dos factos, que a juventude portuguesa deve ser despertada para as realizações portuguesas além-mar como esta sobre o valioso espólio científico e cultural da Sociedade de Estudos de Moçambique até 25 de Junho de 1975, data da Independência deste jovem e promissor país do continente africano. E numa altura de lamúrias sobre o nosso presente e descrença sobre o nosso futuro como nação secular, tento encontrar réstias de esperança em Eça quando, como agora, o revisito: “Uma nação, vive, prospera, é respeitada, não pelo seu corpo diplomático, não pelo seu aparato de secretarias, não pelos banquetes cerimoniosos de camarilhas: isto nada vale, nada constrói, nada sustenta; isto faz reduzir as comendas e assoalhar o pano das fardas – mais nada. Uma nação vale pelos seus sábios, pelas suas escolas, pelos seus génios, pela sua literatura, pelos seus exploradores científicos, pelos seus artistas”.

Outubro 26, 2011

A MARCHA DA MALHANGALENE, ANOS 40

Filed under: 1940 anos, Marcha da Malhangalene, OUTROS — ABM @ 12:15 pm

Fotografia muito gentilmente enviada pelo Fernando Simões, amigo de meu pai.

 

Foto tirada no ano 1943 ou 1944,não tenho a certeza. É a marcha da Malhangalene,que ganhou o primeiro concurso que houve em Lourenço Marques,a minha irmã está na foto,o manda chuva é o Presidente, o Sr.Valentim.

Older Posts »

Create a free website or blog at WordPress.com.